sexta-feira, 15 de julho de 2011

Atividades de História Medieval - Renascimento Comercial e Urbano

Questões de Vestibular: História - Medieval - Renascimento Comercial e Urbano

Questão 1: (UFSC/SC) "Vamos pôr de lado a circunstância de um cidadão ter repugnância de outro; de quase nenhum vizinho socorrer o outro; de os parentes, juntos, pouquíssimas vezes ou jamais se visitarem, e quando faziam visita um ao outro, ainda assim só o fazerem de longe..." BOCCACCIO, G. O Decamerão. São Paulo: Abril Cultural, 1981. O trecho acima, extraído da obra de Boccaccio, descreve o comportamento dos moradores de Florença, atingidos pela Peste Negra em 1347.
Sobre esse período, é correto afirmar que:
1 - embora as cidades tenham crescido a partir do século XIV, o comércio não se tornou uma atividade permanente;
2 - a Peste Negra foi interpretada por muitos médicos e leigos medievais como um castigo divino;
4 - nesse momento, o comércio na Europa encontrava-se em desenvolvimento, tendo como principais pólos cidades como Veneza, Gênova e Pisa;
8 - a Peste Negra, conhecida hoje como peste bubônica, teve como elemento facilitador as péssimas condições de higiene das cidades feudais;
16 - a grande circulação de diferentes moedas por ocasião das feiras fez surgir um novo personagem responsável por fazer a troca de moedas e emprestar dinheiro a juros.
SOMATÓRIA ( )

Questão 2: (UDESC) Por muito tempo a Idade Média européia foi sinônimo de Idade das Trevas, marcada pela paralisação das atividades culturais. Essa imagem distorcida foi modificada atualmente pelos historiadores que a destacam como um período de grande atividade cultural. Acerca desse tema, todas as alternativas estão corretas, exceto:
A - A Idade Média revelou o homem como o centro do universo, princípio filosófico do antropocentrismo.
B - O surgimento de várias universidades medievais, a partir do século XIII, está relacionado, de modo geral, ao desenvolvimento do comércio e das cidades.
C - As Cruzadas ocorridas durante a Idade Média promoveram um maior contato entre o Ocidente e o Oriente, estimulando o comércio e promovendo trocas culturais.
D - Embora a maior parte da população européia fosse analfabeta, os mosteiros medievais concentravam o saber em suas imensas bibliotecas repletas de manuscritos sobre todas as ciências.
E - Um dos legados medievais mais importantes foram as catedrais em estilo gótico com novas técnicas de construção, muitas delas até hoje aproveitadas na arquitetura moderna.

Questão 3: (UPF/RS) Sobre as cidades européias da Idade Média, leia as afirmativas abaixo.
I. Praticamente não havia cidades, pois o comércio feudal era frágil, sustentado por feiras esparsas.
II. Desapareceram depois das invasões bárbaras, restando pequenas cidades no sul da França.
III. Muitas cidades medievais tiveram seu crescimento relacionado com as grandes feiras.
IV. Algumas cidades italianas, como Veneza, eram importantes comercialmente.
V. As cidades cresceram com o planejamento do poder público e o grande incentivo da Igreja Católica.
Estão corretas apenas:
A - II e V;
B - III e IV;
C - I e V;
D - I e IV;
E - II, III e IV.

Questão 4: (UNEMAT/MT) Observe o mapa abaixo:
Sobre a economia da Europa no século XIII e julgue as alternativas:
A - Existem três grandes rotas comerciais restritas ao continente europeu: a Rota Veneziana, a Rota Flamenga (Mar do Norte/Báltico) e a Rota Africana.
B - Na Europa, por causa do comércio das especiarias, duas grandes cidades se destacam: Veneza e Constantinopla.
C - Três grandes rotas levam produtos do Extremo Oriente para o Oriente Médio: Rota da Seda, Rotas das Especiarias e uma rota do Mar Vermelho que abastece Cairo.
D - As rotas do Mar do Norte e Mar Báltico comercializam, principalmente, produtos como especiarias, seda, marfim, escravos.

Questão 5: (FAVIC/BA) Como uma das conseqüências da acumulação de riquezas proporcionada pelo crescimento do comércio e da vida urbana, no fim da Idade Média, pode-se citar:
A - a decadência do poder absoluto dos reis, contestado pelos filósofos iluministas defensores da democracia;
B - a organização do movimento cruzadista com o apoio financeiro da burguesia, interessada em comercializar com o Oriente;
C - a invenção da imprensa, que permitiu maior troca de idéias, inclusive sobre a Igreja Católica, o que contribuiu para a eclosão do movimento reformista;
D - o fato de que os artesãos ficaram prejudicados quando o comércio interno das cidades nascentes foi atingido pela falta de circulação de moedas, abalando o sistema corporativo;
E - a concentração de riquezas em poder dos comerciantes, porque a circulação de mercadorias gerava mais lucros que a sua produção, dando origem à fase de acumulação primitiva de capitais.

Questão 6: (UEFS/BA) Sistema familiar: os membros de uma família produzem artigos para o seu consumo, e não para a venda. O trabalho não se fazia com o objetivo de atender ao mercado (...) Sistema de corporações: produção realizada por mestres artesãos independentes, com dois ou três empregados, para o mercado, pequeno e estável. Os trabalhadores eram donos tanto da matéria-prima que utilizavam como das ferramentas que trabalhavam (...) Sistema doméstico: produção realizada em casa (...) pelo mestre artesão com ajudantes, tal como no sistema de corporações. Com uma diferença importante: os mestres já não eram independentes; tinham ainda a propriedade dos instrumentos de trabalho, mas dependiam, para a matéria-prima, de empreendedor que se interpusera entre eles e o consumidor (...) Sistema fabril: produção para um mercado casa vez maior e oscilante, realizada fora de casa, nos edifícios do empregador e sob rigorosa supervisão. Os trabalhadores perderam sua completa independência (...)
(Huberman, p. 115) Em relação à evolução do sistema de produção, pode-se afirmar:
A - O sistema de produção familiar atendia aos interesses mercantilistas das metrópoles, na medida em que o Estado Absolutista tinha o controle absoluto sobre a produção artesanal.
B - O sistema de corporações de ofício atendia às necessidades da sociedade medieval, cuja produção era restrita aos mercados feudais.
C - O racionalismo renascentista, ao desenvolver a divisão técnica do trabalho, foi fundamental para o desenvolvimento das corporações de ofício.
D - O surgimento do sistema doméstico, provocando o aparecimento do comerciante intermediário, atrasou o desenvolvimento da maquinofatura, ao deslocar o capital da produção para a circulação.
E - O desenvolvimento do sistema fabril foi dificultado pela concorrência estabelecida pelos artesãos, presos às formas tradicionais de produção.

Questão 7: (PUC-MG) A contextualização histórica das informações apresentadas no mapa acima reproduzido permite afirmar que, exceto:
A - as diversas cidades localizadas nas rotas comerciais, da Europa e fora dela, tornaram-se centros urbanos importantes e prósperos;
B - a expansão das atividades mercantis foi muito mais intensa no Leste Europeu, o que estimulou o avanço das forças capitalistas naquela região;
C - as mercadorias vindas do Extremo Oriente e do Norte da África entravam na Europa a partir da Itália e dela se distribuíam por todo o continente;
D - o comércio se estendeu até o Mar do Norte e o Mar Báltico, fortalecendo as chamadas Hansas, poderosas associações de comerciantes.

Questão 8: (UFG/GO) A Idade Moderna pode ser considerada como um período de expansão: comércio, técnica e conquista formaram um conjunto de práticas políticas e sociais implementadas pelos países europeus. Mas é forçoso reconhecer que as mudanças que propiciaram essa expansão acentuada estão situadas na Baixa Idade Média. Acerca das transformações tecnológicas ocorridas entre o fim da Idade Média e a formação do mundo moderno, pode-se afirmar que:
A - a disseminação de técnicas agrícolas como o moinho de água, o arado e o sistema de rodízio das terras foram conquistas da Idade Moderna que se tornaram possíveis graças ao rompimento da economia de subsistência própria do mundo medieval.
B - a difusão da imprensa era um indicativo de um novo modo de sociabilidade pautado pela troca de informações capaz de responder ao desejo de mudança que impulsionava o homem moderno.
C - o desenvolvimento da técnica, de novas concepções e atitudes diante do mundo fortaleceram as tradições medievais, como a valorização do latim que se impôs como linguagem das transações econômicas entre distintos povos.
D - entre os séculos XV e XVI, o interesse pelas especiarias, metais preciosos e tráfico de escravos compuseram a lógica econômica do Sistema Colonial, que transformava a colônia em base para a acumulação mercantil.

Questão 9: (UFPE) Apesar das dificuldades de comunicação durante a Idade Média, o comércio era desenvolvido por terra, rios e mar. Sobre esta prática econômica, analise as proposições abaixo:
A - Os normandos conseguiram manter aberto o comércio na região do Mar Báltico, estabelecendo uma circulação de mercadorias apenas entre reinos da Europa Ocidental.
B - A rota do Mar do Norte e do Mar Báltico se tornou uma das mais ativas, chegando a ocupar o terceiro lugar em importância na Europa, durante a Idade Média.
C - O principal circuito comercial europeu, deste período, estava formado pelos entrepostos do Oriente Médio, pelas cidades da península Itálica e pela região de Flandres.
D - Os tecidos de seda produzidos na região de Flandres chegaram aos mais distantes mercados orientais, com o apoio dos entrepostos comerciais dominados pelos árabes.
E - O comércio do Norte da Europa foi controlado por mercadores da Hansa Teutônica ou Liga Hanseática, constituída no século XIV.

Questão 10: (PUC-SP) A Idade Média Ocidental:
A - conheceu, até o século X, intensa atividade comercial e urbana, que foi substituída posteriormente pelo predomínio do campo e da produção agrícola de subsistência, realizada nos arredores das cidades;
B - apresentou, nas várias regiões, forte unidade política, herdada do Império Romano, até o século VIII, ocorrendo, posteriormente, crescente fragmentação até o século XVI;
C - teve, no início, um período de pouca hierarquia social, com privilégio apenas para os setores eclesiásticos, e gradativa ampliação do poder camponês a partir do século XI;
D - foi um período de absorções, negações e adequações entre a cultura clerical e a laica, havendo claro predomínio da primeira até o século XII e gradativo crescimento da postura laico-humanista a partir de então;
E - representou, nos primeiros séculos, a persistência do politeísmo herdado da tradição greco-romana e, após o século XI, a vitória rápida do protestantismo contra o catolicismo.

Questão 11: (UFSCAR/SP) O crescimento populacional na Europa Ocidental, a partir do século XI, implicou dificuldades sociais, devido à:
A - mentalidade teocêntrica típica da Idade Média, que condenava o trabalho produtivo;
B - descentralização política feudal, que impedia a livre circulação da mão-de-obra;
C - população exígua das cidades medievais, comprimidas no interior de muralhas;
D - regulamentação das Corporações de Ofício, que proibia a formação de artesãos;
E - baixa produtividade da economia medieval e a sua limitada possibilidade de expansão.

Questão 12: (UFC) Leia o texto seguinte: "Entre o início do século XII e meados do século XV, por todo o Ocidente se produziu, em graus de fato diversos, uma mutação profunda, ligada à generalização da escrita nas administrações públicas, que levou a racionalizar e sistematizar o uso da memória." (ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz a literatura medieval. São Paulo. Companhia das Letras. 1993. p. 28) Considerando o comentário apresentado acima sobre a Idade Média, é correto afirmar que:
A - a centralização monárquica, na maioria dos países europeus, popularizou o uso da escrita;
B - as transformações culturais registradas resultaram da Revolução Comercial iniciada no século VII;
C - a valorização da escrita na administração pública decorreu da expansão das universidades medievais;
D - a descentralização política incentivou a concorrência feudal, favorecendo o desenvolvimento cultural;
E - o renascimento urbano e o desenvolvimento comercial estimularam o emprego da escrita para além dos mosteiros.

Questão 13: (UFRGS) No final da Idade Média, nas cidades do Ocidente, os ofícios eram organizados por associações profissionais com forte influência nas atividades econômicas e nas formas de sociabilidade urbanas. Leia as afirmações a seguir sobre as Corporações de Ofício:
I. As primeiras associações profissionais começaram a surgir desde o século IX; eram congregações com forte influência religiosa e tinham por objetivo o auxílio mútuo entre os membros.
II. Na Baixa Idade Média, eram em geral controladas por um colegiado integrado pelos Mestres de Ofício, os quais fiscalizavam o respeito aos regulamentos corporativos, excluindo das decisões os artífices menos qualificados.
III. Seus estatutos previam o controle do tipo de matéria-prima utilizada na produção, a quantidade e a qualidade dos produtos, o preço e as condições de venda das mercadorias, com o fim de evitar a concorrência.
Quais estão corretas?
A - Apenas I.
B - Apenas I e III.
C - I, II e III.
D - Apenas II
E - Apenas II e III.

Questão 14: (FUVEST/SP) "Foi de vital importância o fato de que, a partir do século XII, nobres e burgueses passaram a morar na parte cercada pelas muralhas das cidades. Os interesses e prazeres das duas classes tornaram-se assim semelhantes..." (Jacob Burckhardt, 1860). Sobre esse fenômeno, pode-se afirmar que:
A - ocorreu em todos os lugares da Europa onde se desenvolveram cidades, pondo fim à dominação social da nobreza;
B - ocorreu em todas as cidades marítimas, de Lisboa a Hamburgo, passando pela Itália do Norte e Flandres;
C - foi interrompido pela nobreza, a partir da crise do século XIV, depois de ter se desenvolvido na Baixa Idade Média;
D - marcou as mais importantes cidades italiana, constituindo-se num dos fatores sociais do Renascimento;
E - marcou as mais importantes cidades européias, constituindo-se num dos fatores da criação das universidades medievais.

Questão 15: (FGV/SP) Efetivamente, em todos os pontos do reino onde se obtém a mais fina lã, portanto a mais preciosa, os senhores, os nobres e até os santos abades não se contentam mais com os rendimentos e produtos que seus antepassados costumavam retirar de seus domínios. Não lhes é mais suficiente viver na preguiça e nos prazeres; estes homens, que nunca foram úteis à sociedade, querem-lhe ainda ser nocivos. Não deixam nenhuma parcela de terra para ser lavrada; toda ela transformouse em pastagens. Derrubam casas, destroem aldeias, e, se poupam as igrejas, é, provavelmente, porque servem de estábulos a seus carneiros [...] Assim, para que um insaciável devorador, peste e praga de seu próprio país, possa abarcar num único campo milhares de braças, uma quantidade de pequenos agricultores se vêem escorraçados de seus bens. Uns saem enganados, outros são expulsos à força; alguns, enfim, cansados de tantos vexames, se vêem forçados a vender o que possuem. Enfim, esses infelizes partem, homens e mulheres, casais, órfãos, viúvos, pais com filhos nos braços. Todos emigram, largam seus lugares, os lugares onde viveram, e não sabem onde se refugiar. Toda sua bagagem, que pouco valeria se tivessem a possibilidade de esperar um comprador, é cedida a preço vil, dada a necessidade de dela se desfazerem. Logo os veremos errantes, privados de qualquer recurso. Só lhes resta roubar e serem enforcados, segundo as regras. (MORUS, Thomas. A Utopia. 2.a ed., Brasília, Ed. Universidade de Brasília, 1982, p. 16.) O texto refere-se a um importante elemento no processo de transição do feudalismo para o capitalismo na Inglaterra. Tal elemento é conhecido como:
A - Arroteamento, ou seja, o aproveitamento de novas terras para as atividades agrícolas.
B - Aforamento, ou seja, um tipo de concessão de terras a camponeses.
C - Afolhamento, ou seja, a organização das parcelas a ser cultivadas.
D - Cercamento, ou seja, a separação e a apropriação individual das terras comuns e dos campos abertos.
E - Descimento, ou seja, a ocupação das terras baixas para a criação de animais.

Questão 16: (FUVEST/SP) A prosperidade das cidades medievais (séculos XII a XIV), com seus mercadores e artesãos, suas universidades e catedrais, foi possível graças:
A - à diminuição do poder político dos senhores feudais sobre as comunidades camponesas que passaram a ser protegidas pela Igreja;
B - à união que se estabeleceu entre o feudalismo, que dominava a vida rural, e o capitalismo, que dominava a vida urbana;
C - à subordinação econômica, com relação aos camponeses, e política, com relação aos senhores feudais;
D - ao aumento da produção agrícola feudal, decorrente tanto da incorporação de novas terras quanto de novas técnicas;
E - campo abastecer prioritariamente os setores urbanos.

Questão 17: (UNIMEP/SP) A finalidade das universidades nos séculos XII e XIII aproxima-se daquela das corporações de ofício que se caracterizam pela:
A - organização de mestres e aprendizes em defesa de seus interesses e instauração de um monopólio;
B - manutenção de um privilégio: o dos primogênitos;
C - subordinação e obediência às ordens monásticas;
D - as alternativas a, b e c estão corretas;
E - nenhuma das alternativas acima está correta.

Questão 18: (UFPR) Na Baixa Idade Média, todos os profissionais agrupavam-se, obrigatoriamente, nas chamadas “Corporações de Ofício”. As principais funções dessas instituições eram:
1 - zelar para que seus membros não fossem recrutados para servir na cavalaria;
2 - determinar a qualidade das matérias-primas empregadas e fixar preços dos artigos produzidos;
4 - pagar modestas pensões aos membros doentes, incapacitados; custear enterros e proteger as viúvas;
8 - providenciar para que não houvesse atrito entre os vassalos e seus respectivos suseranos;
16 - providenciar o abastecimento dos exércitos quando combatiam os infiéis;
32 - conseguir, junto às autoridades feudais, permissão para que os filhos dos mestres pudessem freqüentar universidades.
SOMATÓRIA ( )

Questão 19: (FGV/RJ) As feiras na Idade Média constituíram-se:
A - instrumentos de comércio local das cidades para o abastecimento do cotidiano dos seus habitantes;
B - áreas exclusivas de câmbio das diversas moedas européias;
C - locais de comércio de amplitude continental que dinamizaram a economia da época;
D - locais fixos de comercialização da produção dos feudos;
E - instituições carolíngias para renascimento com as invasões no Mediterrâneo.

GABARITO:
questão 1: 30 - questão 2: E - questão 3: B - questão 4: C - questão 5: E - questão 6: B - questão 7: B - questão 8: B, D - questão 9: B, C, E - questão 10: D - questão 11: E - questão 12: E - questão 13: E - questão 14: D - questão 15: D - questão 16: D - questão 17: A - questão 18: 6 - questão 19: C

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário