quarta-feira, 20 de julho de 2011

Atividades de História do Brasil - Período Joanino e Independência

Questões de Vestibular: História - Brasil - Período Joanino e Independência

Questão 1: (UECE) Uma das causas da Revolução Pernambucana em 1817, entre outras, foi a:
A - Primeira Guerra Mundial
B - Independência dos Estados Unidos
C - Confederação do Equador
D - Revolução Praieira

Questão 2: (UNIFOR/CE) A vinda da Corte para o Brasil marca a primeira ruptura definitiva do Antigo Sistema Colonial. (Fernando A Novais. Portugal e Brasil na crise do Antigo Sistema Colonial. São Paulo: Hucitec, 1981. p. 298) A ruptura a que o autor se refere estava intimamente relacionada, dentre outros fatores, à decisão da Coroa portuguesa de:
A - conceder liberdade para o estabelecimento de fábricas nas cidades brasileiras.
B - interromper o comércio de escravos praticado entre a colônia e a Inglaterra.
C - proibir o comércio de manufaturas feito entre a colônia e a burguesia inglesa.
D - romper os laços comerciais com a Inglaterra por exigência dos franceses.
E - abrir os portos brasileiros ao livre-comércio com as “nações amigas”.

Questão 3: (MACKENZIE/SP) As três afirmações abaixo se referem ao contexto histórico do reconhecimento da Independência Brasileira, conquistada em 1822.
I. O reconhecimento por parte dos EUA, em 1824, obedeceu aos princípios da Doutrina Monroe, segundo os quais os norte-americanos deviam apoiar os movimentos de emancipação no continente e combater toda pretensão européia de intervenção ou recolonização na América.
II. Para o reconhecimento formalizado em 1825, Portugal exigiu do Brasil uma compensação de dois milhões de libras e o compromisso de não se unir a nenhuma colônia portuguesa.
III. Uma importante condição imposta pela Inglaterra nas negociações com o Brasil foi à promessa de extinção de escravos africanos, condição que, embora gerasse discordância, acabou por ser plena e imediatamente aceita.
A - Se apenas I é correta.
B - Se apenas II é correta.
C - Se apenas III é correta.
D - Se apenas I e II são corretas.
E - Se I, II e III são corretas.

Questão 4: (MACKENZIE/SP) As três afirmações abaixo se referem ao contexto histórico do reconhecimento da Independência Brasileira, conquistada em 1822.
I. O reconhecimento por parte dos EUA, em 1824, obedeceu aos princípios da Doutrina Monroe, segundo os quais os norte-americanos deviam apoiar os movimentos de emancipação no continente e combater toda pretensão européia de intervenção ou recolonização na América.
II. Para o reconhecimento formalizado em 1825, Portugal exigiu do Brasil uma compensação de dois milhões de libras e o compromisso de não se unir a nenhuma colônia portuguesa.
III. Uma importante condição imposta pela Inglaterra nas negociações com o Brasil foi à promessa de extinção de escravos africanos, condição que, embora gerasse discordância, acabou por ser plena e imediatamente aceita.
Assinale:
A - Se apenas I é correta.
B - Se apenas II é correta.
C - Se apenas III é correta.
D - Se apenas I e II são corretas.
E - Se I, II e III são corretas.

Questão 5: (UFMS) A década de 1990 foi considerada muito profícua para o cinema brasileiro. Alguns dos filmes nela produzidos alcançaram grande sucesso em razão da qualidade estética, do enredo e da opção por temas de fácil compreensão pelo grande público. Em 1995, o longa-metragem Carlota Joaquina: princesa do Brasil, dirigido por Carla Camurati e estrelado por reconhecidos atores brasileiros como Marco Nanini, Marieta Severo e Ney Latorraca, entre outros, foi considerado uma “comédia histórica” de bom nível, embora tenha povocado muitos debates sobre a opção narrativa adotada. O filme ora referido tem como pano de fundo o seguinte episódio da história brasileira:
A - a chegada da esquadra portuguesa à costa brasileira, em 1500.
B - a chegada da Família Real portuguesa e da Corte ao Brasil, em 1808, além de aspectos do cotidiano da realeza.
C - a presença do Imperador Pedro I na Bahia e suas dificuldades na implantação do Império.
D - a partida de D. João IV, em direção a Portugal, em obediência a determinações das Cortes portuguesas.
E - a invasão dos territórios brasileiros, durante as guerras napoleônicas, pelo general Junot.

Questão 6: (UFMT) A emancipação política do Brasil deu-se no contexto de insatisfações portuguesas diante da atitude protelatória de D. João VI. A elevação do Brasil à condição de Reino Unido a Portugal e a Algarves, em 1815, provocou descontentamentos posteriores, até que a solução encontrada envolveu o retorno da Corte para Portugal em 1821. Sobre a temática, assinale a afirmativa correta:
A - D. Pedro I, na condição de Príncipe Regente, atendeu aos clamores populares e decidiu desobedecer à convocação das Cortes de Lisboa em manifestação pública, no Rio de Janeiro, no dia 9 de janeiro de 1822.
B - Os partidários da manutenção da Corte Portuguesa no Brasil eram favoráveis à abolição da escravidão, à reforma agrária e ao rompimento definitivo com a antiga metrópole.
C - A revolução do Porto, movimento de cunho liberal que eclodiu em 24 de agosto de 1820, tinha intenção de emancipar o Brasil, desmembrando o que ainda estava no império ultramarino português.
D - D. João VI retornou a Portugal em 1821, após ter se recusado a atender as manifestações populares que o pressionavam a jurar obediência à nova constituição portuguesa.
E - D. Pedro I, profundamente marcado por concepções liberais e democráticas, acatou as deliberações da Assembléia Constituinte de 1822.

Questão 7: (UPE) A crise do sistema colonial trouxe mudanças políticas importantes para a sociedade na América Latina. Com a proclamação da independência e a organização do Estado na década de 1820, no Brasil houve:
A - um crescimento econômico importante com a implantação de novas técnicas de produção na agricultura;
B - uma fragmentação política, dificultando o crescimento das cidades mais importantes e enfraquecendo a liderança do imperador;
C - a manutenção da escravidão, embora a Constituição de 1824 fosse amplamente liberal nos seus princípios políticos;
D - uma crise política, em 1829, com repercussões na economia, com a desvalorização da moeda e a falência do Banco do Brasil;
E - uma quantidade expressiva de rebeliões políticas, entre elas a Rebelião Praieira, com a defesa da democracia e o fim da monarquia.

Questão 8: (UFPR) A respeito da Revolução Pernambucana de 1817, considere as seguintes afirmativas:
I. Foi marcada por forte sentimento antilusitano, resultante do aumento dos impostos e dos grandes privilégios concedidos aos comerciantes portugueses.
II. Não contou com o apoio de religiosos e militares, tendo apenas a adesão dos demais segmentos da população.
III. Foi uma revolta sangrenta que durou mais de dois meses e deixou profundas marcas no Nordeste, com os combates armados passando de Recife para o sertão, estendendo-se também a Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte.
IV. A revolta foi sufocada apenas dois anos depois por tropas aliadas, reunindo forças armadas portuguesas, francesas e inglesas.
V. Propunha a República, com igualdade de direitos e a tolerância religiosa, mas não previa a abolição da escravidão.
São verdadeiras apenas as afirmativas:
A - I, II e III.
B - I, IV e V.
C - I, III e V.
D - II, III e IV.
E - II, III e V.

Questão 9: (MACKENZIE/SP) De tudo trouxeram os ingleses desde as primeiras viagens: fazendas de algodão, lã e seda; peças de vestuário, alimentos, artigos de armarinho, móveis, vidros, cristais, louças, porcelanas, panelas de ferro, cutelaria, quinquilharias, carruagens, etc. O mercado brasileiro abria-se no momento em que a maioria dos outros mercados tradicionais estavam fechados para a Grã-Bretanha, de modo que os comerciantes ingleses logo exportaram quantidades enormes de mercadoria, acima da capacidade de absorção do mercado brasileiro. O desejo de solucionar esse problema (...) é responsável pelo aspecto que tomaram as exportações para o Brasil em 1808-1809. Olga Pantaleão, A presença inglesa. As referências presentes no trecho acima permitem relacioná-lo com a seguinte situação histórica:
A - o comércio que piratas ingleses realizavam com os índios, ao longo do litoral brasileiro, nas décadas que se seguiram à descoberta do Brasil;
B - a necessidade crescente de abastecimento da população das cidades mineiras, ao longo do período de auge da economia mineradora;
C - a ampliação das relações comerciais entre Inglaterra e Brasil, resultado imediato da assinatura do Alvará de Abertura dos Portos pelo regente D. João;
D - a carência brasileira de produtos industrializados, em decorrência da estagnação da produção nacional durante os anos da guerra contra o Paraguai;
E - o estreitamento das relações entre Inglaterra e Brasil, depois de este romper com a Coroa portuguesa, em virtude do impasse político criado pela Revolução do Porto.

Questão 10: (UFSC/SC)“Não corram tanto! Vão pensar que estamos fugindo!” Frase atribuída a D. Maria I, a Louca, quando a Família Real portuguesa se retirava de Lisboa para o Brasil, em 1807. Nossa História. Rio de Janeiro, a. 1, n. 2, dez. 2003. Sobre o início do século XIX na América Portuguesa, é correto afirmar que:
1 - transformações importantes ocorreram com a vinda da Corte portuguesa ao Brasil. Era necessário adaptar as condições do modo de vida rústico dos brasileiros às exigências dos europeus que aqui aportaram;
2 - antes do estabelecimento da Corte portuguesa no Brasil, a Metrópole não havia demonstrado interesse em atender às reivindicações por melhorias na Colônia;
4 - a vinda da Família Real ao Brasil foi possível devido a um acordo diplomático estabelecido entre D. João e Napoleão Bonaparte, no qual Portugal comprometia-se a manter as colônias abertas ao comércio francês;
8 - a vinda da Corte significou, para os comerciantes da Metrópole, uma oportunidade de enriquecimento, uma vez que a sede do império tinha sido transferida para o Brasil;
16 - as mudanças implantadas no Brasil para satisfazer os interesses portugueses não impediram a continuidade da escravidão. Os escravos exerciam várias funções no meio urbano e rural e estavam sujeitos a castigos físicos, tanto em ambientes privados quanto públicos.
SOMATÓRIA (_____)

Questão 11: (UFMS) A respeito do movimento organizado em Portugal, no início do século XIX, que recebeu o nome de Revolução Liberal do Porto, é correto afirmar que:
A - foi organizado por revolucionários que queriam D. João VI de volta a Portugal, mas com a condição de que fosse estabelecido um governo constitucional;
B - foi um movimento liderado por classes e camadas das elites portuguesas e que tinha como objetivo principal dar apoio aos revolucionários franceses;
C - seus revolucionários queriam que a Família Real retornasse a Portugal e que esse país readquirisse o papel e a importância que tinha perdido para o Rio de Janeiro;
D - foi liderado por manifestantes que não queriam o retorno de D. João VI a Portugal, pois o objetivo era formar um governo antimonárquico e com características liberais;
E - tinha como objetivo a restauração de Portugal, o que só poderia acontecer com a volta do Brasil à condição de colônia.

Questão 12: (PUC-MG) Sobre o processo de independência do Brasil que se prolonga além do 7 de setembro, pode-se afirmar, exceto:
A - A Constituição liberal de 1824 garantiu o direito de propriedade, incluindo a permanência da escravidão;
B - A Revolução do Porto, de 1820, propunha o fim dos privilégios portugueses e a defesa da autonomia político-administrativa dos brasileiros;
C - A Confederação do Equador, levante urbano e popular ocorrido em Pernambuco em 1824, protestava contra a centralização do poder nas mãos do Imperador;
D - Os Estados Unidos foram o primeiro país a reconhecer, em 1824, a independência com base na Doutrina Monroe.

Questão 13: (UFRGS) Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas do texto abaixo, na ordem em que aparecem. Com a transferência da Corte portuguesa para o Brasil, uma das primeiras medidas tomadas por Dom João foi a: _________. Como resultado dessa medida, o Pacto Colonial foi na prática eliminado. No campo da política externa, as atenções do novo Império luso-brasileiro miraram os dois extremos da fronteira da América portuguesa, ou seja, a _________ e a _________, onde aconteceram intervenções militares. Durante o Período Joanino, houve ainda a abertura do Brasil ao olhar estrangeiro, que teve como decorrência a vinda de expedições científicas e artísticas ao país, entre as quais se destacou a _________.
A - assinatura do Tratado de 1810 com a Inglaterra; Guiana Inglesa; Cisplatina; Missão Francesa
B - abertura dos portos às nações amigas; Guiana Inglesa; Cisplatina; Missão Holandesa
C - assinatura do Tratado de 1810 com a Inglaterra; Guiana Francesa; Argentina; Missão Inglesa
D - abertura dos portos às nações amigas; Guiana Francesa; Cisplatina; Missão Francesa
E - assinatura do Tratado de 1810 com a Inglaterra; Guiana Holandesa; Argentina; Missão Inglesa

Questão 14: (UEFS/BA) Artigo 1 – As Ilhas Britânicas são declaradas em estado de Bloqueio.
Artigo 2 – Todo o comércio e toda a correspondência com as Ilhas Britânicas estão proibidos (...)
Artigo 7 – Nenhuma embarcação vinda diretamente da Inglaterra ou das colônias inglesas (...) será recebida em porto algum.
Artigos do Bloqueio Continental (In: Silva & Bastos, p. 80.)
As determinações contidas no texto influíram na História do Brasil do início do século XIX, expressando-se através:
A - do Tratado da União Ibérica.
B - da transferência da sede do governo colonial da Bahia para o Rio de Janeiro.
C - da Conjuração Mineira de 1789.
D - da transferência da Corte Portuguesa para a Colônia.
E - da Confederação do Equador.

Questão 15: (UEM/PR) O Brasil se tornou independente de Portugal em 7 de setembro de 1822, dia em que D. Pedro I recebeu, em São Paulo, um ultimato das Cortes de Portugal, ameaçando-o com a perda do direito de sucessão ao trono português e desautorizando seus atos no Brasil. A respeito do processo de independência e de constituição do Estado Nacional brasileiro, assinale a(s) alternativa(s) correta(s):
1 - A crise entre Portugal e Brasil se agrava após a Revolução Liberal do Porto, de 1820, que obriga D. João VI a voltar para a Metrópole e a restaurar o domínio colonial sobre os brasileiros.
2 - O que motivou a reação hostil das Cortes de Portugal em relação a D. Pedro I foi o projeto político deste último que visava a implantar o regime republicano no Brasil e em Portugal.
4 - A dominação colonial portuguesa sobre o Brasil sofre um primeiro grande abalo com a transferência da Corte portuguesa para o Rio de Janeiro, em 1808, ocasião em que D. João VI decreta a abertura dos portos e a revogação da lei de 1785, que proibia a criação de manufaturas no Brasil.
8 - A primeira Assembléia Constituinte brasileira foi instalada em maio de 1823, mas, devido aos conflitos entre deputados favoráveis à monarquia constitucional e deputados partidários do absolutismo de D. Pedro I, foi dissolvida pelo próprio Imperador em novembro do mesmo ano. Após esse ato autoritário, D. Pedro I impõe uma outra constituição aos brasileiros, que é outorgada à Nação em março de 1824.
16 - A Constituição outorgada por D. Pedro I, em 1824, manteve o catolicismo como religião oficial do Estado brasileiro e não se manifestou em relação à escravidão.
SOMATÓRIA (_____)

Questão 16: (EMESCAM/ES) A transferência da Corte Portuguesa para o Brasil, seguida da Abertura dos Portos, em 1808, significou:
1. o fim do antigo regime colonial, em razão da transformação do Brasil numa nova metrópole;
2. a ruptura do Pacto Colonial, com a instauração do regime de livre-comércio no Brasil;
3. o início de um período de mudanças que levariam à emancipação política do Brasil.
Assinale:
A - se apenas a afirmativa 1 está correta;
B - se apenas as afirmativas 1 e 2 estão corretas;
C - se apenas as afirmativas 1 e 3 estão corretas;
D - se apenas as afirmativas 2 e 3 estão corretas;
E - se todas as afirmativas estão corretas.

Questão 17: (UFF/RJ) Nas primeiras décadas do século XIX, ocorreu uma verdadeira “redescoberta do Brasil”, como identificou Mary Pratt, graças à ação de inúmeros Viajantes europeus, bem como às Missões Artísticas e Científicas que percorreram o território, colhendo diversas informações sobre o que aqui existia. Foram registrados os diversos grupos humanos encontrados, legando-nos um retrato de diversos tipos sociais. Rica e fundamental foi a descrição que fizeram da Natureza, revelando ao mundo diferenciadas flora e fauna. Entretanto, até o início dos oitocentos, os estrangeiros foram proibidos de percorrer as terras brasileiras, e eram quase sempre vistos como espiões e agentes de outros países. O grande afluxo de artistas e cientistas estrangeiros ao Brasil está ligado:
A - à política joanina, no sentido de modernizar o Rio de Janeiro, inclusive com o projeto de criar uma escola de ciências, artes e ofícios;
B - à pressão exercida pela Inglaterra, para que o governo de D. João permitisse a entrada de cientistas e artistas no Brasil;
C - à transferência da capital do Império Português de Salvador para o Rio de Janeiro, modificando o eixo econômico da Colônia;
D - à reafirmação do pacto colonial, em função das proposições liberais da Revolução do Porto;
E - à política de vários países europeus, que buscavam ampliar o conhecimento geral sobre o mundo, na esteira do humanismo platônico.

Questão 18: (UFRRJ/RJ) A citação abaixo destaca a chegada da corte portuguesa ao Rio de Janeiro, em 1808, como um início de uma fase de grandes mudanças para a cidade que perdia então a sua imagem colonial. Para o Rio de Janeiro, principalmente, era toda uma fase de sua história que agora terminava. Fase de grandes transformações realizadas sob o impacto das necessidades de toda ordem despertadas pela chegada e instalação da Corte portuguesa. Em pouco mais de uma década, a cidade passara por um processo de modernização material e atualização cultural, perdendo muito de sua aparência colonial para transformar-se numa metrópole. (FALCON, F. C.; MARROS, I. R. de. O processo de Independência no Rio de Janeiro. In: MOTA, C. G. (org). 1822. Dimensões. São Paulo: Perspectiva, 1972.) Entre as medidas que favoreceram essas transformações podem ser assinaladas:
A - o início da construção do Paço Imperial, a sede do governo, a criação da Imprensa Régia e a instalação da iluminação a gás;
B - a construção da primeira estrada de ferro do Brasil, a criação do banco do Brasil e a fundação da Imperial Academia de Música;
C - o estabelecimento da Intendência Geral de Polícia, a fundação do Banco do Brasil e a criação da Imprensa Régia;
D - a criação da Imprensa Régia, a instalação da iluminação a gás e a construção da primeira estrada de ferro do Brasil;
E - a permissão de instalação de manufaturas no Brasil, o estabelecimento da Intendência geral de Polícia e a construção da primeira estrada de ferro do Brasil.

Questão 19: (UFRGS) Embora a independência política do Brasil tenha sido declarada somente em 1822, o início do processo de emancipação pode ser relacionado com uma conjuntura anterior, na qual um acontecimento de grande impacto desencadeou as mudanças que levaram à separação entre o Brasil e Portugal. Esse fato, que assinalou o final efetivo da situação colonial, foi:
A - a Inconfidência Mineira, ocorrida em 1789, que introduziu no Brasil as idéias iluministas e republicanas, minando a monarquia portuguesa;
B - a Inconfidência Baiana, ocorrida em 1798, que introduziu no Brasil as idéias jacobinas e revolucionárias, levando ao fim do domínio lusitano;
C - a transferência da Corte para o Brasil em 1808, que significou a presença do aparato estatal metropolitano na Colônia, a qual passou a ser a sede da monarquia portuguesa;
D - a Revolução Pernambucana de 1817, que trouxe para o cenário político brasileiro o ideário maçônico e republicano;
E - a convocação das cortes de Lisboa em 1820, que exigiram o retorno de Dom João para Portugal e a recolonização do Brasil.

Questão 20: (UNIRIO/RJ)Observe a imagem:
A caricatura acima nos faz refletir sobre os atos dos governantes e a correspondente falta de participação popular que tem marcado a História do Brasil. No contexto da Independência do Brasil, podemos citar como exemplo de exclusão de participação política nos moldes liberais a:
A - adesão aos ideais da Confederação do Equador e o voto de cabresto;
B - criação de Poder Moderador e o voto universal;
C - dissolução da Assembléia Constituinte de 1823 e o voto aberto;
D - manutenção da escravidão e o voto censitário;
E - manutenção do autoritarismo e o voto distrital.

Questão 21: (EMESCAM/ES)Por volta de 1820, a burguesia portuguesa inicia uma revolução liberal. Controlando o poder, propõe-se a recuperar a economia do Reino e exige medidas imediatas como:
A - alianças com a Inglaterra e acordos para iniciar a industrialização;
B - aplicação de leis protecionistas para ampliação do mercado interno português;
C - coroar D. Pedro. Imperador de Portugal e adotar uma constituição liberal;
D - desligar-se da dependência inglesa;
E - regresso de D. João VI à Metrópole e recolonização do Brasil.

Questão 22: (PUC-MG) O processo de independência do Brasil foi feito por um grupo restrito, sobre o qual se pode afirmar que, exceto:
A - defendia a manutenção da grande propriedade e da escravidão garantindo seu domínio econômico e político;
B - era composto por grandes proprietários de terras e comerciantes opositores das pretensões recolonizadoras portuguesas;
C - esteve representado na Constituinte defendendo uma monarquia constitucional que estabelecesse limites ao poder do monarca;
D - desejava significativas alterações na estrutura socioeconômica do País forçando a convocação da Assembléia Constituinte.

Questão 23: (UFC) A respeito da Independência do Brasil é correto afirmar que:
A - implicou em transformações radicais da estrutura produtiva e da ordem social, sob o regime monárquico;
B - significou a instauração do sistema republicano de governo, como o dos outros países da América Latina;
C - trouxe consigo o fim do escravismo e a implementação do trabalho livre como única forma de trabalho e o fim do domínio metropolitano;
D - implicou em autonomia política e em reformas moderadas na ordem social decorrentes do novo status político;
E - decorreu da luta palaciana entre João VI, Carlota Joaquina e Pedro I, que teve como conseqüência imediata a abertura dos portos.

Questão 24: (UNIFOR/CE) Considere o texto que segue, sobre o processo de Independência do Brasil. "Não se veja neste episódio, contudo uma simples parada, uma festa, pois o coroamento da luta pelo menos desde o século XVII, com o custo de milhares de vidas. Se não houve aqui batalhas vistosas da guerra pela emancipação das colônias espanholas, houve muito protesto individual e organizado, nas tentativas de liberdade (...) Se as províncias do Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo dirigiram o processo, houve a colaboração das demais. Em algumas, houve luta contra a idéia de ruptura com Portugal. Sobretudo nas províncias de alta população portuguesa, nas quais só se admitiu a independência após combates e conversações (...) Dom Pedro conseguiu subjulgá-las (...), em fins de 1823, todas as províncias formavam em torno do ex-regente, agora no trono". (IGLESIAS, Francisco. Trajetória política do Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 1993. p. 115) Conforme o texto, pode-se afirmar que:
A - a independência do Brasil foi um processo de lutas políticas e militares, ocorridas sobretudo nas províncias com predomínio de população portuguesa que resistiu à unificação do Brasil durante o governo de Dom Pedro I;
B - o processo de independência do Brasil não teve a violência típica dos processos similares das colônias espanholas, sendo caracterizado principalmente por uma articulação política entre as elites, sem o alcance de efetivos resultados políticos;
C - a independência não foi produto de uma guerra, como na América espanhola, pois Portugal pouco resistiu à independência do Brasil, uma vez que a Coroa se contentou com o fato de que um príncipe português seria o novo Imperador brasileiro;
D - o processo de independência, mesmo não sendo caracterizado por uma guerra generalizada e longa, não foi tão pacífico quanto se acredita, sendo marcado por uma série de protestos contra a dominação portuguesa, articulações políticas entre as províncias próximas da capital e lutas militares localizadas;
E - as províncias rebeldes citadas no texto, a partir de 1823, formavam em torno de Dom Pedro I uma aliança para impedir a hegemonia política das elites do Rio de Janeiro, de São Paulo e de Minas Gerais no governo do novo país independente.

Questão 25: (PUC-SP) Entre os eventos que antecederam a independência política do Brasil e propuseram ou criaram condições para a autonomia, podem-se mencionar:
A - as iniciativas da Coroa portuguesa no Brasil, no início do século XIX, como a permissão ao comércio internacional sem mediação da Metrópole e a criação de sistema bancário oficial;
B - as revoltas ocorridas na região das Minas Gerais, no decorrer do século XVIII, com características e projetos, em todos os casos, emancipacionistas e propositores de um Estado Brasileiro autônomo;
C - as mudanças ocorridas no cenário europeu, entre o final do século XVIII e o início do XIX, com a ascensão de Napoleão ao trono francês e a conquista, por suas tropas, de toda a Europa Ocidental e de suas possessões coloniais;
D - as ações de grupos de comerciantes da Colônia, desde o início do século XIX, desejosos de ampliar sua independência comercial e de estabelecer vínculos diretos com países do Ocidente europeu e do Extremo Oriente;
E - as vitórias, no século XVIII, das lutas pela independência nas regiões de colonização espanhola, francesa e inglesa das Américas, gerando um conjunto de impérios autonômos, possíveis parceiros comerciais para o Brasil.

Questão 26: (FUVEST/SP) "... quando o Príncipe Regente português, D. João, chegou de malas e bagagens para residir no Brasil, houve um grande alvoroço na cidade do Rio de Janeiro. Afinal era a própria encarnação do rei [...] que aqui desembarcava. D. João não precisou, porém, caminhar muito para alojar-se.
Logo em frente ao cais estava localizado o Palácio dos Vice-Reis." (Lilia Schwarcz. As Barbas do Imperador.) O significado da chegada de D. João ao Rio de Janeiro pode ser resumido como:
A - decorrência da loucura da rainha Dona Maria I, que não conseguia se impor no contexto político europeu;
B - fruto das derrotas militares sofridas pelos portugueses ante os exércitos britânicos e de Napoleão Bonaparte;
C - inversão da relação entre Metrópole e Colônia, já que a sede política do Império passava do centro para a periferia;
D - alteração da relação política entre monarcas e vice-reis, pois estes passaram a controlar o mando a partir das colônias;
E - imposição do comércio britânico, que precisava do deslocamento do eixo político para conseguir isenções alfandegárias.

Questão 27: (UFF/RJ) A preocupação (...) justificada de nossos historiadores em integrar o processo de emancipação política com as pressões do cenário internacional envolve alguns inconvenientes ao vincular demais os acontecimentos da época a um plano muito geral, (...) deixando em esquecimento o processo interno de ajustamento às mesmas pressões que é o de (...) interiorização da metrópole no Centro-Sul da Colônia.
(DIAS, Maria Odila Silva. A interiorização da Metrópole. In: MOTA, Carlos Guilherme. 1822: dimensões. São Paulo: Perspectiva, 1972. p. 165.)
A citação anterior indica uma outra dimensão da análise do processo de Emancipação Política do Brasil e sua interpretação sugere:
A - a necessidade de associar-se o enraizamento dos interesses portugueses no Centro-Sul ao processo de emancipação política pouco traumática;
B - a valorização da reação conservadora na Europa como determinante da independência política do Brasil;
C - a necessidade de atribuir-se relevância ao papel definitivo do sentimento de formação da nacionalidade brasileira em nossa emancipação política;
D - a valorização dos elementos de ruptura presentes no processo de emancipação política, em detrimento dos elementos de continuidade;
E - a necessidade de enfatizar-se o estudo das idéias de Rousseau e demais enciclopedistas para se compreender a independência política do Brasil.

Questão 28: (CESGRANRIO/RJ) "As ruas estão, em geral, repletas de mercadorias inglesas. A cada porta, as palavras Superfi no de Londres saltam aos olhos: algodão estampado, panos largos, louça de barro, mas, acima de tudo, ferragens de Birminghan, podem-se obter um pouco mais caro do que em nossa terra nas lojas do Brasil, além de sedas, crepes e outros artigos da China." (GRAHAM, Mary. Diário de Uma Viagem ao Brasil, in Campos, Raymundo. História do Brasil. São Paulo: Atual, 1991, 2.ª ed. p. 98) Esta descrição das lojas do Rio de Janeiro, feita por uma inglesa que estava no Brasil em 1821, justifica-se historicamente pelo(a):
A - Tratado de Maastricht;
B - Tratado de Comércio e navegação;
C - Tratado de Fontainebleau;
D - Bloqueio Continental;
E - criação do NAFTA e da ALCA.

Questão 29: (UFES) No início do século XIX, a transformação do Brasil em sede da monarquia portuguesa levou D. João IV a adotar medidas que mudaram o contexto socioeconômico da antiga colônia. Dentre essas medidas, podemos destacar:
I. a organização da maçonaria, constituída por grandes latifunfiários e comerciantes do Rio de Janeiro;
II. a criação do Banco do Brasil, da Casa da Moeda e do Jardim Botânico.
III. a convocação de uma Assembléia Constituinte, que estabeleceu a liberdade de comércio para os comerciantes nacionais;
IV. a criação da Faculdade de Medicina na Bahia, da Imprensa Régia, da Escola Nacional de Belas-Artes e da Biblioteca Pública no Rio de Janeiro;
V. a assinatura de tratados de comércio e navegação com a Inglaterra, os quais favoreciam a comercialização de produtos portugueses pelas baixas tarifas alfandegárias.
Assinale a opção que contém as afirmativas corretas:
A - I e II
B - I e V
C - II e IV
D - III e IV
E - IV e V

Questão 30: (ESPM/RJ) Quando se estabelece uma comparação entre monarquia brasileira e os períodos coloniais e republicanos, imediatamente anteriores e posteriores, é relevante mencionar que:
A - a grande marca da monarquia foi a liquidação da grande propriedade que predomina nos outros períodos;
B - coube à República e ao Período Colonial apresentar diferenças, como o trabalho imigrante e o escravismo, que o Império não conheceu;
C - a monarquia fez predominar uma tendência centralizadora muito contrária ao federalismo da República e à subordinação da Colônia;
D - o Período Colonial e também a Primeira República fizeram valer apenas a autoridade nacional, enquanto, no Império, os governos provinciais eram escolhidos por eleições locais;
E - enquanto Colônia e República apresentaram, com destaque, economias voltadas para a exportação, em todo o Império predominou a atividade introvertida.

Questão 31: (UFPR) A emancipação política do Brasil é um fenômeno amplo, relacionado, de um lado, com a crise do sistema colonial tradicional e com a crise das formas absolutistas de governo e, de outro lado, com as lutas liberais e nacionalistas que se sucederam na América desde os fins do século XVIII. Totalize os valores das alternativas corretas:
1 - A crítica ao sistema colonial corresponde às mudanças nas relações políticas e comerciais entre metrópole e colônia, mas não implica a mudança da estrutura básica da produção.
2 - A sobrevivência de monopólios e privilégios constituiu permanente motivação de discórdia e conflito e contribuiu para a efetivação de movimentos revolucionários na colônia.
4 - As contradições da política de D. João VI criaram um clima favorável ao desenvolvimento de idéias liberais, tanto na metrópole como na colônia, fazendo crescer o número dos que lutavam pela implementação de formas representativas de governo.
8 - A demanda crescente de produtos tropicais no mercado internacional tornara insustentável, desde a abertura dos portos, a persistência de restrições coloniais que entravavam a produção.
16 - Os movimentos revolucionários ocorridos no Brasil pela emancipação foram influenciados pelas idéias liberais, tais como liberdade, igualdade e livre comércio.
SOMATÓRIA (_____)

Questão 32: (FATEC-SP) Tem sido apontado, como preparatório para a nossa independência, o período em que, devido à inversão metropolitana entre Portugal e Brasil (1808-1821), D. João tomou a iniciativa de algumas medidas econômicas, políticas e culturais.
Assinale a alternativa que NÃO se aplica ao período citado:
A - O Tratado de Aliança e Amizade, assinado com a Inglaterra, em 1810, tinha uma cláusula que afetava diretamente a economia brasileira, pois determinava a gradual extinção do tráfico negreiro para o Brasil.
B - Ocorreu a abertura dos portos brasileiros às nações amigas, de acordo com os interesses da aristocracia rural brasileira e dos negociantes ingleses, aos quais não convinha mais o monopólio português sobre o comércio do Brasil.
C - O Alvará de Liberdade Industrial não surtiu efeitos esperados, porque, apesar dos incentivos às indústrias têxtil e metalúrgica, no Brasil, qualquer possibilidade de desenvolvimento esbarrava nos privilégios concedidos à burguesia inglesa.
D - Esse período começou com o reconhecimento oficial do fato de não sermos mais colônia; assim, por iniciativa exclusiva de D. João, o Brasil foi elevado à categoria de Reino Unido a Portugal e Algarves, depois do Congresso de Viena.
E - O período foi marcado pela crescente intervenção da Inglaterra que, com o intuito de obter novos mercados consumidores para seus produtos industriais, passaria a incentivar movimentos de independência sul-americanos, entre eles, o do Brasil.

Questão 33: (FGV/RJ) -Ao proclamarem a sua independência, as colônias espanholas da América optaram pelo regime republicano, seguindo o modelo norte-americano. O Brasil optou pelo regime monárquico:
A - pela grande popularidade desse sistema de governo entre os brasileiros;
B - porque a república traria forçosamente a abolição da escravidão, como ocorrera quando da proclamação da independência dos Estados Unidos;
C - como conseqüência do processo político desencadeado pela instalação da corte portuguesa na colônia;
D - pelo fascínio que a pompa e o luxo da corte monárquica exerciam sobre os colonos;
E - em oposição ao regime republicano português implantado pelas Cortes.

Questão 34: (UFU/MG) A transferência da Corte portuguesa alterou o estatuto colonial brasileiro, com a adoção de inúmeras medidas, entre elas a assinatura da Carta Régia de 1808, que permitia a abertura dos portos brasileiros para o exterior. Essa abertura dos portos significou para o Brasil:
A - a proibição de instalação de manufaturas que pudessem concorrer com os produtos ingleses;
B - a manutenção do Pacto Colonial, garantindo ao Brasil o estatuto de colônia portuguesa;
C - a penetração do Brasil no mercado internacional, como parceiro igual das grandes potências mundiais;
D - um passo no processo de emancipação política do Brasil e seu ingresso na órbita de influência britânica;
E - a afirmação da economia brasileira, que deixa de ser área de influência norte-americana.

Questão 35: (FATEC-SP) Apesar da liberdade para a instalação de indústrias manufatureiras no Brasil, decretada por D. João, através do alvará datado de 1º de abril de 1808, estas não se desenvolveram. Isto se deveu, entre outras razões, à:
A - impossibilidade de competir com produtos manufaturados provenientes dos Estados Unidos, que dominavam o mercado consumidor interno;
B - impossibilidade de escoamento da produção da Colônia, uma vez que Portugal, intermediário entre a Colônia e a Europa, estava ocupado pelos franceses;
C - canalização de todos os recursos para lucrativa lavoura cafeeira, não havendo, por parte dos latifundiários, interesse em investir na indústria;
D - concorrência dos produtos ingleses, que gozavam de privilégios especiais no mercado brasileiro;
E - dificuldade de obtenção de matéria-prima (algodão) na Europa, aliada à impossibilidade de produzi-la no Brasil.

Questão 36: (CEFET/PR) Os Tratados de “Comércio e Navegação” e de “Aliança e Amizade”, assinados pelo Príncipe Regente D. João no Brasil, foram inequivocamente favoráveis:
A - a Portugal;
B - à França;
C - à Espanha;
D - à Inglaterra;
E - à Alemanha.

Questão 37: (FGV/RJ) A vinda da Família Real ao Brasil está diretamente ligada ao seguinte episódio:
A - a adesão portuguesa ao Bloqueio Continental decretado por Napoleão;
B - o desafio de Portugal ao decreto napoleônico do Bloqueio Continental e sua aliança com a Inglaterra;
C - a habilidade diplomática de D. João que fez aliança com a França e Inglaterra para sair da Europa em guerra;
D - o apoio português às tropas franco-hispânicas para evitar as guerras de independência na América;
E - a articulação entre os fazendeiros de café do Vale do Paraíba e as Cortes portuguesas para a independência do Brasil.

Questão 38: (FGV/RJ) Marque a alternativa correta:
I. A política de recolonização proposta pelas cortes portuguesas foi um dos fatores que levaram à proclamação da Independência.
II. As rebeliões ocorridas durante o período regencial permitiram que as camadas mais pobres da população tivessem representação e participação política junto às instituições imperiais.
III. A abdicação de D. Pedro I significou a vitória dos liberais e a consolidação do poder da aristocracia rural.
A - se todas as proposições forem verdadeiras;
B - se apenas forem verdadeiras as proposições I e II;
C - se apenas forem verdadeiras as proposições I e III;
D - se apenas forem verdadeiras as proposições II e III;
E - se todas as proposições forem falsas.

Questão 39: (UFPR) A presença no Brasil da Corte e do príncipe Regente, D. João, criou condições concretas para que a separação do Brasil em relação a Portugal se tornasse definitiva.
A respeito dessa conjuntura é correto afirmar que:
1 - D. João manteve a proibição de se instalarem indústrias no Brasil;
2 - a abertura dos portos brasileiros liquidou com o elemento econômico essencial do sistema colonial ibérico: o monopólio comercial;
4 - a instalação no Rio de Janeiro significou a transferência das decisões políticas do Nordeste para o Sudeste;
8 - ao liberalismo comercial, que interessava aos ingleses e às elites coloniais, correspondia, no plano político, a instalação de um Estado Nacional na antiga Colônia;
16 - o Brasil foi elevado à categoria de Reino Unido a Portugal e Algarves.
SOMATÓRIA (_____)


Questão 40: (UEM/PR) Assinale a(s) alternativa(s) correta(s):
1 - A independência do Brasil trouxe-lhe a emancipação política, que foi marcada por atuação da aristocracia rural, cujo objetivo era defender os próprios interesses.
2 - Ao tornar-se independente, o Brasil não sofreu movimentos revolucionários incontroláveis que pudessem favorecer a fragmentação da sua unidade territorial.
4 - As populações urbanas e a aristocracia rural do Norte e do Nordeste brasileiros, por ocasião do processo que culminou com a independência, viam nessa independência uma solução democrática, uma vez que eram partidárias de idéias liberais.
8 - D. Pedro, quando o Brasil se tornou independente, optou desobedecendo às Cortes, por permanecer aqui, em 1828.
16 - As tropas e os comerciantes portugueses que viviam principalmente na Bahia, no Pará e no Maranhão, receberam muito bem a notícia de que o Brasil se tornara independente.
32 - A Revolução do Porto, em 1820, liderada por Lord Beresford, tinha como objetivo a volta de D. Pedro II para Portugal, a fim de que fossem acalmados os ânimos revolucionários.
SOMATÓRIA (_____)

Questão 41: (UNISANTOS/SP) Os homens que realizaram a independência brasileira eram liberais, do ponto de vista econômico e político, mas não sob o aspecto social. Assinale a alternativa que justifique a frase acima:
1 - Falavam na liberdade de comércio, na existência de três poderes, em Constituição, mas não em libertação dos escravos e promoção social das massas marginalizadas.
2 - O rompimento com a Metrópole permitiu a legislação favorável à distribuição de terras, entretanto, manipulada pela aristocracia rural.
4 - Apesar do rompimento político-administrativo, a exploração dos escravos não foi reconhecida como crime contra a pessoa.
8 - O rompimento administrativo com Portugal não evitou a vinda de imigrantes que passaram a dominar o trabalho assalariado.
SOMATÓRIA (_____)

Questão 42: (UCPEL/RS) Para reconhecer a independência do Brasil, o governo inglês exigiu:
A - o pagamento de dois milhões de libras esterlinas;
B - a renovação do Tratado de Comércio de 1810;
C - a promessa de não se atacar em colônias inglesas;
D - a abolição da escravidão;
E - a permissão de implantação de empresas multinacionais de exploração de petróleo.

Questão 43: (CEFET/PR) Das 18 províncias que o Brasil tinha na época da Independência política, muitas eram governadas por portugueses que não aceitaram a separação de Portugal. A maior resistência portuguesa, na Guerra da Independência, foi encontrada na Província de:
A - Minas Gerais;
B - Rio de Janeiro;
C - Bahia;
D - Pernambuco;
E - Maranhão.

Questão 44: (UFSC/SC) O movimento em favor da emancipação política no Brasil, em 1822, ocorreu, fundamentalmente, devido:
A - às manifestações da Igreja em prol da Independência;
B - à volta de D. João VI para Portugal;
C - aos ideais de emancipação da revolução do Porto;
D - às tentativas de recolonização por parte de Portugal;
E - à influência dos comerciantes de escravos.

GABARITO:questão 1: B - questão 2: E - questão 3: D - questão 4: D - questão 5: B - questão 6: A - questão 7: D - questão 8: C - questão 9: C - questão 10: 0 - questão 11: A, C, E - questão 12: B - questão 13: D - questão 14: D - questão 15: 29 - questão 16: D - questão 17: A - questão 18: C - questão 19: C - questão 20: D - questão 21: E - questão 22: D - questão 23: D - questão 24: D - questão 25: A - questão 26: C - questão 27: D - questão 28: B - questão 29: C - questão 30: C - questão 31: 23 - questão 32: D - questão 33: C - questão 34: D - questão 35: D - questão 36: D - questão 37: B - questão 38: C - questão 39: 26 - questão 40: 1 - questão 41: 7 - questão 42: B - questão 43: C - questão 44: D

ATIVIDADE EXTRA - SEM GABARITO

AS REVOLTAS COLONIAIS OU REVOLTAS SEPARATISTAS

Ao mesmo tempo em que se desenvolvia, em Portugal, uma política de reforma do absolutismo, surgiram conspirações na Colônia. Elas estavam ligadas às novas idéias e a acontecimentos ocorridos na Europa e nos Estados Unidos, mas também à realidade local. A idéia de uma nação brasileira foi se definindo à medida em que setores da sociedade da Colônia passaram a ter interesses distintos da Metrópole ou a identificar nela a fonte de seus problemas.
1- No período colonial surgiram várias rebeliões e movimentos de libertação que questionaram a dominação portuguesa sobre o Brasil. A respeito dessas rebeliões, podemos afirmar que:
I - Todos os Movimentos de contestação visavam à separação definitiva do Brasil de Portugal.
II - Até a 1° metade do século XVIII, os movimentos contestatórios exigiam mudanças, mas não o rompimento do estatuto colonial.
III - Desde o final do século XVIII, os movimentos de libertação sofreram a influência do Iluminismo e defendiam o fim do pacto colonial.
VI - A luta pela abolição da escravatura era uma das propostas presentes em basicamente todas as rebeliões.
V - Uma das razões de vários movimentos contestatórios era o abuso tributário da Coroa Portuguesa em relação aos colonos: Estão corretas as afirmativas:

2- A crise do sistema colonial foi uma construção histórica. Muitas rebeliões aconteceram e evidenciaram os descontentamentos dos colonos com as atitudes da metrópole. No Brasil colonial, tivemos:
( ) a Revolta dos Mascates, que ameaçou o domínio português com as alianças políticas feitas entre os comerciantes do Recife e a aristocracia de Olinda.
( ) a Inconfidência Mineira, que defendia, influenciada pelas ideias iluministas, o fim imediato da escravidão.
( ) a Inconfidência Baiana, em 1798, que contou com a liderança marcante dos grandes proprietários de terra e a participação dos maçons na divulgação das idéias liberais.
( ) a Guerra dos Emboabas, que ameaçou o domínio português, no século XVIII, com a ação dos rebeldes que conseguiram o controle e a exploração das minas de ouro.
( ) a Revolução de 1817, com a participação destacada do clero pernambucano e com a defesa de princípios do liberalismo.

3- Nos movimentos denominados INCONFIDENCIA MINEIRA, de 1789, CONJURAÇÃO BAIANA, de 1798, e REVOLUÇÃO PERNAMBUCANA, de 1817, identifique:
a) os setores sociais neles envolvidos.
b) os objetivos políticos que possuíam em comum.

4-Associe as afirmações apresentadas na coluna superior com as contestações setecentistas referidas na coluna inferior.
1- Revolta de Vila Rica (1720)
2- Conjuração Mineira (1789)
3- Conjuração Carioca (1794)
4- Conjuração Baiana (1798)
( ) Foi um movimento inspirado nas idéias revolucionárias francesas, com expressiva participação popular, principalmente de soldados e alfaiates.
( ) O principal motivo de sua eclosão foi o anúncio da criação das Casas de Fundição na região mineradora, visando coibir o contrabando do ouro.
( ) Foi um movimento independentista de reação aos excessos do colonialismo português, tendo como principais articuladores os padres, os militares e os intelectuais.

5- Na manhã de 12 de agosto de 1798, um panfleto revolucionário afixado em vários lugares da cidade de Salvador dizia: "Povo, o tempo é chegado para vós defendêreis a vossa Liberdade; o dia da nossa revolução, da nossa Liberdade e de nossa felicidade está para chegar, animai-vos que sereis felizes." PRIORE, Mary Del et al (Org.). "Documentos de História do Brasil - de Cabral aos anos 90". São Paulo: Scipione, 1997, p. 38. A partir desse texto e de seus conhecimentos, responda às questões propostas.
a) Que movimento produziu o panfleto citado?
b) Cite três acontecimentos ocorridos no período, na esfera internacional, que podem ser relacionados a esse movimento.
c) Cite dois objetivos do movimento ao qual o texto acima se refere.
d) Apresente a relação entre a dureza das penas impostas aos principais acusados e a condição social da maioria dos participantes desse movimento.

6- Associe os fatos político-militares do Primeiro Reinado e da Regência brasileira a seguir, com suas localizações:
Coluna A
1 – Balaiada
2 – Cabanagem
3 - Ato Adicional
4 – Sabinada
5 - Confederação do Equador
Coluna B
I – Pará
II – Bahia
III – Maranhão
IV – Pernambuco
V - Rio de Janeiro

Independência do Brasil
7 - Procure interpretar a "charge" de Miguel Paiva, analisando sua versão da Independência do Brasil.

8- Ao proclamarem a sua independência, as colônias espanholas da América optaram pelo regime republicano, seguindo o modelo norte-americano. O Brasil optou pelo regime monárquico:
a) pela grande popularidade desse sistema de governo entre os brasileiros.
b) porque a República traria forçosamente a abolição da escravidão, como ocorrera quando da proclamação da independência dos Estados Unidos.
c) como conseqüência do processo político desencadeado pela instalação da corte portuguesa na colônia.
d) pelo fascínio que a pompa e o luxo da corte monárquica exerciam sobre os colonos.
e) em oposição ao regime republicano português implantado pelas cortes.

9- “A independência do Brasil, proclamada em 1822, foi reconhecida pelos Estados Unidos da América em maio de 1824 e por várias nações européias até o ano de 1826". Em sua opinião, qual foi a razão dessa demora e qual a relação que tem com o Congresso de Viena (1815)?

10- A vinda da família real para o Brasil, em 1808, alterou a vida e a dinâmica da colônia, bem como da nobreza, ao transformar o Rio de Janeiro no centro de decisões do Império português.
a) Qual o papel da França e da Inglaterra no contexto político internacional em que ocorreu a transferência da família real para o Brasil?
b) Identifique quem foi favorecido e quem foi prejudicado com a abertura dos portos, decretada por D. João e explique por quê.

11- Leia a declaração. Como é para o bem do povo e felicidade geral da nação, estou pronto; diga ao povo que fico ("D. Pedro, Príncipe Regente, 9 de janeiro de 1822".). Agora observe a imagem abaixo e o dialogo entre D. Pedro e D. João VI. E interprete o que se pede abaixo
a) Qual o significado da decisão tomada pelo Príncipe Regente?
b) Explique o que foi a Revolução do Porto, iniciada em 1820, e aponte suas conseqüências para a porção americana do Império Português.

12. A independência do Brasil e das colônias espanholas na América tiveram como elemento comum:
a) as propostas de eliminação do regime escravista imposto pela metrópole;
b) o caráter pacífico, uma vez que não ocorreu a fragmentação política do antigo bloco colonial ibérico;
c) os efeitos do expansionismo napoleônico, responsável direto pelo rompimento dos laços coloniais;
d) o objetivo de manter o livre-comércio, como um primeiro passo para desenvolver a industrialização na América;
e) a efetiva participação popular, uma vez que as lideranças políticas coloniais defendiam a criação de Estados democráticos na América.
RESPOSTA: C

13.(MACKENZIE) O processo de independência do Brasil caracterizou-se por:
a) ser conduzido pela classe dominante que manteve o governo monárquico como garantia de seus privilégios;
b) ter uma ideologia democrática e reformista, alterando o quadro social imediatamente após a independência;
c) evitas a dependência dos mercados internacionais, criando uma economia autônoma;
d) grande participação popular, fundamental na prolongada guerra contra as tropas metropolitanas;
e) promover um governo liberal e descentralizado através da Constituição de 1824.
RESPOSTA: A

14.A maior razão brasileira para romper os laços com Portugal era:
a) evitar a fragmentação do país, abalado por revoluçõesanteriores;
b) garantir a liberdade de comércio, ameaçada pela política de recolonização das Cortes de Lisboa;
c) substituir a estrutura colonial de produção e desenvolver o mercado interno;
d) aproximar o país das repúblicas platinas e combater a Santa Aliança;
e) integrar as camadas populares ao processo político e econômico.
RESPOSTA: B

15.A respeito da independência do Brasil, pode-se afirmar que:
a) consubstanciou os ideais propostos na Confederação do Equador;
b) instituiu a monarquia como forma de governo, a partir de um amplo movimento popular;
c) propôs, a partir das idéias liberais das elites políticas, a extinção do tráfico de escravos, contrariando os interesses da Inglaterra;
d) provocou, a partir da Constituição de 1824, profundas transformações nas estruturas econômicas e sociais do País;
e) implicou na adoção da forma monárquica de governo e preservou os interesses básicos dos proprietários de terras e de escravos.
RESPOSTA: E

16.(UCSAL) I. Aparecimento do capitalismo industrial em substituição ao antigo e decadente capitalismo comercial.
II. Tradução em dois planos do processo capitalista: abertura das áreas coloniais à troca internacional e eliminação do trabalho escravo.
III. Transferência da família real para o Brasil e abertura dos portos. Os itens acima sintetizam algumas razões que respondem, no Brasil, pela:
a) eliminação da importação
b) decadência da mineração
c) colonização portuguesa
d) independência política
e) expansão territorial
RESPOSTA: D

17. A respeito da Independência do Brasil, é válido afirmar que:
a) foi um arranjo político que preservou a monarquia como forma de governo e também os privilégios da classe proprietária;
b) as camadas senhoriais, defensoras do liberalismo político, pretendiam não apenas a emancipação política, mas alteração das estruturas econômicas;
c) foi um processo revolucionário, pois contou com intensa participação popular;
d) o liberalismo defendido pela aristocracia rural apoiava a emancipação dos escravos;
e) resultou do receio de D. Pedro I de perder o poder, aliado ao seu nacionalismo.
RESPOSTA: A

18.A Independência do Brasil:
a) rompeu o processo histórico;
b) adaptou a estrutura política do país às conveniências da aristocracia rural;
c) acelerou o processo de modernização econômica;
d) representou um sério golpe na economia escravista;
e) representou um retrocesso político, devido à forma monárquica de governo adotada.
RESPOSTA: B

19.O príncipe D. Pedro, na Independência do Brasil, foi:
a) essencial, pois sem ele não ocorreria a independência;
b) figura de fachada, totalmente submisso aos desejos de José Bonifácio;
c) mediador, minimizando os antagonismos entre Brasil e Portugal;
d) manipulado pela aristocracia rural, objetivando realizar a independência com a manutenção da unidade popular;
e) totalmente independente, tomando para si liderança do processo, dando à independência um caráter revolucionário.
RESPOSTA: D

20.O processo de emancipação política brasileiro:
a) tendeu a seguir o exemplo da América Espanhola, quer dizer, da Independência da Bolívia, Venezuela e Peru;
b) contou com grande participação popular, principalmente de negros e mulatos do Nordeste, que viviam maior opressão;
c) marginalizou os elementos populares, e manteve as estruturas sociais e econômicas do período colonial;
d) foi completado com o grito do Ipiranga, em 7 de setembro, coma decisiva participação de D. Pedro;
e) somente foi consolidado após um ano de guerra contra Portugal,uma vez que a Metrópole não aceitou a ruptura.
RESPOSTA: C

2 comentários:

  1. Olá de novo :D acabei de fazer uma observação e descobri que as questões 03 e 04 são as mesmas! Só pra avisar.. (:

    ResponderExcluir