quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Atividades de História do Brasil - SEGUNDO REINADO OU SEGUNDO IMPÉRIO

Questões de Vestibular: História - Brasil - SEGUNDO REINADO OU SEGUNDO IMPÉRIO

VÍDEO DA GUERRA DO PARAGUAI

















Questão 1: (Unibahia/BA) Num mundo onde os grandes empresários privados costumavam ter uma única empresa, Mauá apostou na diversificação. Num país onde agricultura parecia destino manifesto, ele montava uma indústria atrás da outra. Enquanto os brasileiros lamentavam a falta de escravos, Mauá implementava administrações participativas e distribuição de lucros para empregados. Cercado de nobres em busca de feitores, ele contratava engenheiros para desenvolver a tecnologia de seus novos projetos. Se argentinos e uruguaios reclamavam contra a natureza, que deteriorava a carne e assim os impedia de exportá-la para o resto do mundo, o barão publicava anúncios nos jornais da Europa, prometendo prêmios em dinheiro a quem inventasse um método de conservação. Já que os ingleses duvidavam da viabilidade do Brasil, ele aproveitava o espaço para crescer ainda mais, usando as brechas que deixavam. Com o sucesso, passou a dividir o mundo entre aliados e adversários de suas idéias, e a ter cada vez mais certeza de que estava no bom caminho. CALDEIRA, 1995, p.18. A partir da análise do texto e dos conhecimentos sobre a política imperialista, pode-se afirmar:
A - O Barão de Mauá, ao diversificar a produção industrial brasileira em bases nacionalistas, durante o Segundo Império, encontrou apoio dos capitalistas britânicos, interessados em expandir o processo industrial.
B - A escravidão, nos finais do século XIX, passou a ser combatida pelas potências capitalistas, por restringir o mercado consumidor, assim como por transferir a mão-de-obra que estava sendo explorada na colonização da África.
C - A administração participativa e a distribuição de lucros se opunham aos ideais liberais, ao reduzir a lucratividade da empresa, fazendo do Barão de Mauá o primeiro empresário a tentar implantar uma experiência socialista no Brasil.
D - O atraso cultural do Brasil e sua economia pautada no latifúndio agroexportador e monocultor, que perdurou da Colônia à Primeira República, fizeram com que a Inglaterra não manifestasse interesses econômicos sobre o Brasil.
E - As iniciativas empreendidas por Mauá possibilitaram que, ainda em meados do século XIX, o Brasil iniciasse um processo industrial que iria propiciar a diversificação econômica e a instalação de indústrias de base no país.

Questão 2: (UDESC) Na segunda metade do século XIX, muitos negros, escravos e homens livres foram presos e acusados de crimes como roubo, agressões e assassinatos de brancos. Nos processos-crime instaurados, é possível perceber numerosos depoimentos sobre o cotidiano desses trabalhadores, tornados visíveis pela nova historiografia brasileira. Assinale a alternativa que explica tais rebeldias:
A - As ações do Estado brasileiro, o qual sempre se preocupou em apoiar movimentos abolicionistas.
B - A incompreensão dos escravos negros quanto às necessidades econômicas de seus senhores.
C - A geração de políticas de inclusão do negro na sociedade brasileira da época.
D - A política de clareamento da população, que previa a convivência pacífica entre brancos e negros.
E - A história dos trabalhadores negros, resistentes à perseguição e discriminação realizada pela polícia e pela sociedade em geral.

Questão 3: (ACAFE/SC) A Guerra do Paraguai (1865/1870) foi um grande conflito que envolveu o Brasil durante o II Reinado. Acerca desse contexto, analise as afirmações a seguir:
I – O desenvolvimento econômico do Paraguai inquietava a Inglaterra, visto que os paraguaios tinham uma relativa independência do sistema capitalista internacional.
II – Para o Império brasileiro, o episódio que deu origem à guerra foi a invasão paraguaia no Rio Grande do Sul, onde Solano Lopes buscava, através do rio Guaíba, uma saída para o mar.
III – Os “Voluntários da Pátria”, batalhões organizados pelo Exército Imperial brasileiro, compostos principalmente por jovens educados na Europa que viam na guerra a oportunidade de ingressarem na carreira militar.
IV – Nessa guerra, as tropas brasileiras chegaram até a capital, Assunção, onde promoveram uma verdadeira carnificina contra as exauridas forças paraguaias e a população civil.
Todas as afirmações corretas estão em:
A - III – IV
B - I – III
C - I – IV
D - II – IV
E - I – II – III

Questão 4: (UDESC) A guerra do Paraguai ocorreu entre 1865 e 1870. Dentre as alternativas abaixo, assinale a que não corresponde à história desse conflito:
A - O recrutamento de soldados brasileiros para a guerra ocorreu de forma desorganizada, já que o Império não tinha um exército consolidado.
B - O idioma dominante entre os paraguaios era o guarani e, apesar da tentativa de obrigar a população a adotar a língua castelhana, o idioma nativo resiste até os dias atuais.
C - Durante o conflito, epidemias como o cólera e a varíola foram responsáveis por dizimar tanto parte da população civil quanto soldados.
D - A Guerra do Paraguai foi o primeiro conflito que a República brasileira teve que enfrentar logo depois de sua constituição.
E - A Guerra do Paraguai foi, na verdade, resultado do processo de construção dos Estados Nacionais do Rio do Prata e, ao mesmo tempo, marco de sua consolidação.

Questão 5: (UNEMAT/MT) Em Contos, de Machado de Assis, temos um precioso registro da sociedade do Rio de Janeiro, nos últimos anos do Império. Sobre essa sociedade, assinale a alternativa correta:
A - Trata-se de uma sociedade matriarcal escravista, onde o mundo rural predomina sobre o mundo urbano.
B - Trata-se de uma sociedade patriarcal escravista onde o mundo rural predomina sobre o mundo urbano.
C - Trata-se de uma sociedade feudal, portanto, ela é senhorial, patriarcal e escravista.
D - Trata-se de uma sociedade matriarcal escravista, onde o mundo urbano predomina sobre o mundo rural.
E - Trata-se de uma sociedade patriarcal escravista, onde o mundo urbano predomina sobre o mundo rural.

Questão 6: (UFMT) Durante o Segundo Reinado, com a consolidação de um projeto político nacional, após os conturbados anos da década de 30 do século XIX, o Brasil ampliou sua projeção externa e esteve envolvido em várias questões importantes no plano internacional, principalmente na região da Bacia do Prata. Sobre a política externa do Segundo Reinado para essa região, é correto afirmar:
A - Foi negociado o fim da Guerra da Cisplatina.
B - O Brasil subjugou a Argentina na guerra contra o Aguirre.
C - Foi celebrada uma aliança com o Paraguai para conter a expansão uruguaia.
D - O Brasil promoveu a paz na região.
E - Foi criada a Tríplice Aliança contra o Paraguai.

Questão 7: (UERJ) OBSERVE A IMAGEM
Um segmento social que participou ativamente da derrubada da monarquia brasileira e uma das conseqüências políticas desse movimento estão indicados em:
A - burguesia cafeeira paulista – implantação do federalismo;
B - aristocracia rural fluminense – imposição do bipartidarismo;
C - camadas populares urbanas – instituição do presidencialismo;
D - profissionais liberais urbanos – estabelecimento do parlamentarismo.

Questão 8: (UCS/RS) Associe os períodos da História do Brasil Império, listados na Coluna A, às características que os identificam, indicadas na Coluna B.
Coluna A
1 – Primeiro Reinado (1822 a 1831)
2 – Período Regencial (1831 a 1840)
3 – Segundo Reinado (1840 a 1889)
Coluna B
( ) Período conturbado, caracterizado pelas lutas entre restauradores, exaltados e moderados, assim como pelas rebeliões provinciais que colocaram em risco a integridade territorial e política do País.
( ) Caracterizou-se por ser um período de transição, marcado por uma aguda crise econômica, financeira, social e política, com a divisão do Partido Brasileiro em duas facções: a conservadora e a liberal.
( ) Período em que a economia passou a ter o café como produto fundamental e foram realizados alguns reforços industrializadores, dentre os quais, um dos mais importantes, aquele empreendido pelo Barão de Mauá.
Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo:
A - 1 – 2 – 3
B - 3 – 2 – 1
C - 2 – 3 – 1
D - 3 – 1 – 2
E - 2 – 1 – 3

Questão 9: (UFRGS) Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas do enunciado abaixo, na ordem em que aparecem.
Entre os elementos fundamentais para a compreensão do processo histórico que culminou com o fim do Segundo Reinado, é correto citar o desfecho da _________, o __________ e o movimento _________.
A - Guerra da Cisplatina – conflito com a Igreja Católica – republicano
B - Guerra do Paraguai – crescimento do republicanismo – abolicionista
C - Revolta da Balaiada – conflito com a maçonaria – abolicionista
D - Questão Christie – conflito com a maçonaria – republicano
E - Guerra dos Farrapos – conflito com as ordens religiosas – abolicionista

Questão 10: (PUC-RS) O Golpe da Maioridade (1841), que permitiu que D. Pedro II subisse ao trono:
A - provocou a formação do Partido Republicano;
B - impediu a consolidação de partidos em âmbito nacional;
C - assinalou o fim do período de hegemonia dos partidários do escravismo;
D - permitiu o reatamento das relações diplomáticas com Portugal;
E - abriu caminho para a pacificação interna e para a estabilidade política.

Questão 11: (UFG/GO) A Guerra do Paraguai (1864-1870) contra o Brasil, Argentina e Uruguai refletiu os antagonismos do processo de formação dos Estados Nacionais na região do Rio da Prata. A eclosão dos conflitos foi motivada, de modo imediato, pela:
A - defesa brasileira da liberdade de navegação nos rios da região, garantindo a presença do Império no Prata;
B - tentativa de Solano López de expandir as fronteiras paraguaias, estendendo-as até o mar, para formar o “Paraguai Maior”;
C - política de modernização econômica e militar em virtude da qual o Paraguai passou a utilizar tecnologia estrangeira;
D - intervenção brasileira no Uruguai, ignorando o ultimato de Solano López, contrário a interferências nas lutas daquele país;
E - disputa entre blancos e colorados no Uruguai juntamente com a influência de pecuaristas gaúchos na política platina.

Questão 12: (UEM/PR) Sobre a escravidão, a imigração e o trabalho livre no Brasil Imperial, assinale a alternativa correta.
A - Entre 1860 e 1890, o governo imperial repatriou mais de um milhão de negros para a Libéria, país da África. Essa medida visou ao branqueamento e à purificação racial dos trabalhadores brasileiros.
B - Com A Lei de Terras de 1850, o Governo Imperial manteve as regras tradicionais de cessão das terras devolutas, estipulando que essas terras não poderiam ser vendidas, mas apenas cedidas pelo Estado por meio das Cartas de Sesmarias.
C - No século XIX, a parceria e o colonato foram sistemas de trabalho praticamente desconhecidos dos fazendeiros brasileiros, os quais optaram pelo sistema do trabalho assalariado puro como forma de atrair os imigrantes europeus.
D - A proibiçãodo tráfico de escravos africanos, decretada em 1831 e posta em prática em 1850pelo governo brasileiro, e a disponibilidade de trabalhadores livres excedentesna Europa foram fatores estimuladores da formação do mercado de trabalhoassalariado no Brasil.
E - A legislação trabalhista decretada por D. Pedro II, em 1870, que garantiu ao trabalhador imigrante o décimo terceiro salário, férias remuneradas e outras vantagens, foi o mais importante estímulo ao trabalho livre no Brasil.

Questão 13: (PUC-PR) Em alguns livros, o período da história do Império Brasileiro entre 1850 a 1870 tem o seu nome elogiado como “empresário moderno, empreendedor, a presença de escravos em seus negócios, após a decretação do fim do tráfico em 1850, no entanto, compromete sua fama de abolicionista”. O texto se refere à chamada Era:
A - Ubá;
B - Itajubá;
C - Penedo;
D - Cotegipe;
E - Mauá.


Questão 14: (PUC-MG) Observe a charge de Bordalo Pinheiro, publicada em “O Mosquito”, em setembro de 1875. Ela expressa:
A - a punição exemplar do Papa Pio IX ao Regente do Trono, que, desrespeitando as determinações do Vaticano, decretou plena liberdade de culto no Brasil;
B - o ressentimento do clero católico contra o imperador, que resolveu por fim à união Igreja-Estado, assegurada pela Constituição outorgada, em 1824, por D. Pedro I;
C - a atitude de fraqueza de D. Pedro II perante o representante máximo da Igreja Católica, que o obrigou a renunciar definitivamente ao direito de exercer o Padroado;
D - o impasse político criado pela Questão Religiosa, que abalou a relação entre Igreja-Estado, apesar da anistia concedida pelo Imperador D. Pedro II aos bispos rebeldes.

Questão 15: (UFMG) Considerando-se a dinâmica da economia brasileira no decorrer do Período Imperial, é correto afirmar que:
A - o negócio açucareiro, embora decadente, permaneceu importante o suficiente para fornecer capitais para a industrialização da Região Sudeste;
B - a produção cafeeira foi implantada, originalmente, no oeste paulista, tendo-se expandido, posteriormente, em direção ao litoral e ao Vale do Paraíba;
C - o primeiro setor industrial moderno a surgir no País foi a tecelagem, implantada com auxílio de máquinas e técnicos importados dos países desenvolvidos;
D - a transição do trabalho escravo para o livre foi dificultada por empecilhos colocados pelo Império à utilização de mão-de-obra européia.

Questão 16: (UFC) A manutenção do Parlamentarismo, durante quase todo o Segundo Reinado, esteve relacionada:
A - ao apoio dado pelos liberais ao monarca, de forma a manter o poder dos conservadores circunscrito às áreas interioranas do país;
B - à concessão de muitos poderes ao imperador e à alternância dos partidos liberal e conservador no governo;
C - à inexistência de eleições para a escolha de senadores e deputados, todos nomeados pelo imperador;
D - à estabilidade do cargo de presidente do Conselho de Estado, escolhido pela Câmara dos Deputados;
E - à difusão dos ideais revolucionários franceses, adotados pelo monarca na condução da política imperial.

Questão 17: (UFV/MG) Nas últimas décadas do século XIX, o Estado brasileiro promoveu a imigração de estrangeiros para atender a crescente demanda por trabalhadores na lavoura cafeeira. Para além das razões econômicas, a política imigratória era definida também por preconceitos e temores com relação a certos grupos étnicos. Das características abaixo, assinale aquela que não se aplica à “grande imigração” de fins do século XIX.
A - A origem predominante dos imigrantes de determinadas regiões pobres da Europa Mediterrânea, especialmente o Sul da Itália, Portugal e Espanha.
B - O agenciamento de imigrantes na Europa por meio de oferta de passagem gratuita, como forma de concorrer com outros centros de atração de imigração, como os Estados Unidos e a Austrália.
C - O oferecimento de lotes de terra e auxílio financeiro a todos os imigrantes que se dirigissem para o Brasil, especialmente àqueles que se instalassem nos sertões de Goiás e Mato Grosso.
D - A concentração relativa da imigração italiana em São Paulo, sobretudo nas áreas cafeeiras e na capital, e da imigração portuguesa na cidade do Rio de Janeiro.
E - A presença de preconceitos com relação à entrada de imigrantes asiáticos e africanos, justificada pelo “racismo científico”, como forma de promover o “branqueamento” progressivo da população.

Questão 18: (UFV/MG) As últimas décadas do Império brasileiro assistiram ao aparecimento e à expansão de dois movimentos políticos e sociais importantes: a propaganda republicana e o movimento abolicionista.
Com relação a estes dois movimentos é correto afirmar que:
A - o Partido Republicano Mineiro foi o mais ativo e organizado da campanha pela República, e por isso foi capaz de manter sua hegemonia durante a República Velha;
B - a principal razão para a expansão do movimento republicano foi a implantação do federalismo pelo Imperador D. Pedro I, na década de 1870;
C - o movimento abolicionista era bastante homogêneo em sua composição, e a maior parte de suas lideranças era constituída por ex-escravos;
D - a maior parte dos republicanos paulistas era contrária à abolição, embora alguns membros do movimento republicano fossem também abolicionistas;
E - a propaganda republicana contou com a participação de importantes membros da elite imperial, como Joaquim Nabuco e Deodoro da Fonseca.

Questão 19: (UFMS) A respeito da ferrovia Madeira–Mamoré, é correto afirmar que:
A - foi projetada e construída exclusivamente com tecnologia brasileira. Essa foi a principal causa de sua decadência e de sua completa desativação, na década de 1970;
B - desde o século XIX, já havia sido realizada a primeira tentativa para iniciar suas obras. No entanto, somente no início do século XX, em 1907, é que as obras foram oficialmente iniciadas pela empresa May & Jeckill;
C - em 1912, suas obras foram concluídas. Seu ponto final foi em Guajará-Mirim, no km 364;
D - entre os fatores que influenciaram a sua decadência, destaca-se a união dos dois oceanos, o Atlântico e o Pacífico, com a abertura do Canal do Panamá;
E - durante todo o período de funcionamento, ela esteve ligada somente a empresas e a capitais particulares, ou seja, nunca foi nacionalizada.

Questão 20: (UFMS) A respeito do episódio que, na obra do Visconde de Taunay, foi denominado A Retirada da Laguna, é correto afirmar que:
A - foi nesse momento que Solano Lopes, na época presidente da República do Paraguai, rendeu-se ao exército da Trípice Aliança, composto de tropas da Argentina, do Brasil e do Uruguai;
B - trata-se de um momento em que uma expedição brasileira, que se encontrava em operações no sul de Mato Grosso, foi obrigada a recuar diante da perseguição imposta pelo exército paraguaio. Essa perseguição se deu desde Laguna, fronteira do Paraguai, até o Rio Aquidauana, em território brasileiro, durante a chamada Guerra do Paraguai;
C - foi um momento marcante na conhecida Guerra do Chaco, quando os bolivianos foram obrigados a se retirar da região paraguaia de Laguna, fugindo do exército inimigo;
D - não passou de uma das estrátegias adotadas pelo exército brasileiro, para atrair os paraguaios ao território brasileiro e, em seguida, aniquilá-los;
E - foi um acontecimento marcante na chamada Guerra do Paraguai, pois uma expedição brasileira, que se encontrava em combate contra os argentinos, na região de Laguna, foi obrigada a recuar ao território do Império.

Questão 21: (UFMS) A guerra entre o Paraguai e a Tríplice Aliança (1864-1870) foi um dos mais sangrentos conflitos bélicos ocorridos na América e, dada a sua significância, tem sido um tema bastante pesquisado por historiadores, cujos estudos mais recentes contrariam antigas idéias a respeito dessa luta armada. No que se refere a esses novos estudos e às antigas versões sobre a chamada Guerra do Paraguai, como o conflito é conhecido no Brasil, pode-se afirmar que:
1 - tanto os estudos publicados nas décadas de 1970 e 1980 quanto os mais recentes, vulgarizados a partir da década de 1990, são unânimes na constatação de que, na época da guerra, o Paraguai era, de fato, o país mais próspero da América Latina, conhecido pela austera política de desenvolvimento econômico aliada à inclusão social;
2 - estudos recentes, como os de Francisco Doratioto, autor de Maldita Guerra: Nova História da Guerra do Paraguai (São Paulo: Companhia das Letras, 2002), mostram que as origens do conflito também podem estar no processo de consolidação dos Estados Nacionais na região platina;
4 - pesquisas desenvolvidas a partir da década de 1980 mostram que o quadro político, que se desenhara às vésperas da guerra, aproximou ideologicamente, pela primeira vez na história, o Brasil e a Argentina, os quais, juntamente com o Uruguai, compuseram a Tríplice Aliança;
8 - para os estrangeiros, na época da guerra, o Brasil tinha um exército constituído majoritariamente por fidalgos escravocratas, conhecido pelas crueldades praticadas contra a população pobre do Paraguai, entre 1868 e 1870;
16 - a partir da década de 1970, sobretudo, a tese de que o imperialismo inglês foi a causa maior da guerra ganhou muito espaço na historiografia dos platinos, a exemplo do que consta no conhecido Genocídio Americano: a Guerra do Paraguai, de Júlio José Chiavenato (São Paulo: Brasiliense, 1984).
SOMATÓRIA (_____)

Questão 22: (ULBRA/RS) A história do Império Brasileiro pode ser analisada através de documentos oficiais, jornais ou narrativas de membros da elite administrativa. Entretanto podemos utilizar a literatura, produzida no período, para elaborar um quadro com um conjunto de significados alternativo ao discurso oficial. Nesta tentativa para a análise do período monárquico seria possível utilizar:
A - Gonçalves Dias, que desenvolveu uma narrativa latino-americana e descreveu os conflitos de fronteira entre Brasil, Uruguai e Argentina;
B - Tomás Antônio Gonzaga, que em sua crônica, destacou o contexto do Período Regencial e o início da produção cafeeira em São Paulo;
C - Gregório de Matos Guerra, que, escrevendo sobre o governo da Província do Rio de Janeiro, defendeu o processo das leis emancipacionistas;
D - Castro Alves, que enalteceu em sua poesia a causa abolicionista e Aluísio de Azevedo, que apresentou, no Cortiço, um quadro da população urbana pobre do final do século XIX;
E - Machado de Assis, que refletiu as transformações e a crise de valores, desenvolvendo uma crítica direta ao governo de D. Pedro I e ao seu retorno para a Europa.

Questão 23: (UFRGS) Observe a gravura abaixo:
VICENTINO, Cláudio; DORIGO, Gianpaolo. História do Brasil. São Paulo: Scipione, 1997. p. 257.A charge acima faz referência à chamada “Questão Religiosa”, ocorrida durante o Segundo Reinado. Essa disputa entre o Estado Imperial e a Igreja Católica aconteceu devido à:
A - rejeição, pelo governo, dos dispositivos da bula Syllabus, baixada pelo papa Pio IX, que proibia a permanência de membros da maçonaria dentro dos quadros da Igreja;
B - adesão do governo de Dom Pedro I aos tratados de livre comércio de escravos, o que era condenado pela Santa Sé, com base em argumentos de cunho moral;
C - rejeição da encíclica Rerum Novarum, baixada pelo papa Leão XIII, que defendia a coexistência harmoniosa do capital e do trabalho, no sentido de evitar a luta de classes;
D - adesão do governo imperial aos ditames do Tratado de Latrão, que limitava os poderes da Igreja expressos na instituição do Padroado;
E - recusa do governo de Dom Pedro II em aceitar as manobras parlamentares dos deputados católicos, visando à extinção do direito do Padroado.

Questão 24: (UNEMAT/MT) Após a Guerra do Paraguai (1864-1869), Mato Grosso parece ressurgir economicamente dentro do cenário nacional, e de certo modo, no cenário internacional. Com base nesta afirmativa, julgue os itens:
A - Com a abertura da navegação pelo Rio Paraguai, Mato Grosso pôde inserir-se definitivamente ao grande mercado brasileiro e sul americano.
B - Neste período, o produto de maior destaque de Mato Grosso ainda eram extrativistas: o ouro e diamantes.
C - A chegada de inúmeras casas comerciais em Cuiabá e Cáceres é uma das características deste período.
D - Apesar da economia em crescimento e das possibilidades de investimento, Mato Grosso pouco foi procurado por estrangeiros desejosos de investir no Brasil, seja no comércio seja no setor produtivo.

Questão 25: (UFMT) "Mudou-se também a fisionomia das cidades. As áreas centrais foram remodeladas e saneadas [...]; serviços básicos de água, esgoto e coleta de lixo atendiam às classes favorecidas desde o final do século XIX; os transportes foram modernizados (no Rio, os bondes elétricos serviam à classe média e aos abastados da zona norte e sul e os trens às classes média e baixa dos subúrbios)”.(ALENCAR, Chico et al. História da sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Ao livro Técnico, 1996, p. 214.) O texto acima refere-se ao:
A - processo de urbanização no Rio de Janeiro entre o final do século XIX e início do XX;
B - processo de industrialização iniciado no século XIX e concluído no início do XX;
C - período de desenvolvimento das atividades industriais no interior do estado do Rio de Janeiro;
D - período em que ocorreu a maior leva de imigrantes italianos para as fazendas de café no interior do Paraná;
E - aumento da produção manufatureira que se expandiu no Rio de Janeiro após a abolição da escravatura no final do século XIX.

Questão 26: (UPE) A política externa do império brasileiro encontrou resistência na modernização do Paraguai. Com relação ao conflito entre o Paraguai e o Brasil, pode-se afirmar que:
A - representou uma derrota expressiva para os planos de expansão do Paraguai;
B - exterminou boa parte da população paraguaia, cujo extermínio foi considerado para alguns um verdadeiro genocídio;
C - isolou, militarmente, o Brasil dos outros países, lutando sozinho contra o inimigo;
D - deu maior unidade ao exército brasileiro, ajudando na sua formação profissional;
E - interessou, apenas, ao imperialismo inglês, sem repercussões nacionais internas importantes.

Questão 27: (UFPR) "No dia 27 de maio de 1856 Antonio Joaquim Pais compareceu diante do vigário da Freguesia da Sé, na cidade de São Paulo, para realizar o registro de suas terras. Declarou que não havia antigos proprietários, pois se tratava de uma posse primária que ocupava há 18 anos com efetivo aproveitamento das mesmas (...). Quanto à demarcação das terras foi registrado: a divisa principia na porteira, donde segue uma cerca até uma vertente e por esta abaixo até um córrego e por este acima até a cerca, que entesta na supradita porteira, em cujas posições limitam-se de terras públicas e dos herdeiros de Joaquim Romualdo de Barros.”
Registro de Terras de São Paulo, apud MONTELATTO, A. et al. História temática: terra e propriedade. São Paulo: Scipione, 2001. O texto acima é um trecho de documento que se refere à ordenação do acesso à propriedade da terra, o que foi realizado a partir da promulgação da Lei de Terras, em 1850. Sobre as mudanças propiciadas por essa lei, é correto afirmar:
A - Com a medida, o governo pretendeu iniciar uma reforma agrária, favorecendo a distribuição da renda ao pequeno produtor.
B - Com a Lei de Terras extingue-se, finalmente, o regime feudal no Brasil, que se iniciou no período dos Governos Gerais.
C - Com a Lei de Terras, extensas proporções adquiridas por concessão ou posse transformaram-se em propriedade privada, sendo essa a razão para a existência, até os dias de hoje, do latifúndio.
D - A Lei de Terras tinha como principal objetivo oferecer emprego e renda para os escravos libertos, que passaram a se dedicar à cultura de hortifrutigranjeiros, suprindo, com isso, as necessidades de alimentos no meio urbano.
E - Terras públicas ou devolutas era o nome que se dava às ruas e praças das cidades, bem como aos terrenos em que órgãos públicos eram edificados.

Questão 28: (PUC-RIO) Sobre a crise que afetou o Estado Imperial brasileiro, a partir de 1870, é correto afirmar:
I. A insatisfação de segmentos militares, desde o fim da Guerra do Paraguai, resultava, em larga medida, da percepção que possuíam a respeito do lugar secundário e subordinado que o Exército vinha ocupando no Estado Imperial.
II. A crescente crise econômica e financeira decorria, entre outros fatores, da acentuada queda do preço do café no mercado europeu e norte-americano, em um quadro marcado pela superprodução.
III. O descontentamento da burguesia cafeeira do Oeste Novo Paulista, em especial a partir da promulgação da “Lei dos Sexagenários”, resultava, em larga medida, do que considerava como uma excessiva centralização política e administrativa do governo imperial.
IV. O desagrado da nascente burguesia industrial originava-se da política monetária ortodoxa e do livre-cambismo que vinham sendo implementados pelos diversos gabinetes imperiais, desde os anos de 1840.
V. O agravamento dos conflitos sociais, sobretudo nas cidades, decorria tanto da discussão e votação da Lei do Ventre Livre (1871) quanto da implementação de medidas protetoras dos libertos.
Assinale:
A - Se somente as afirmativas I e III estão corretas.
B - Se somente as afirmativas I e V estão corretas.
C - Se somente as afirmativas II e III estão corretas.
D - Se somente as afirmativas II e IV estão corretas.
E - Se somente as afirmativas IV e V estão corretas.

Questão 29: (UFRRJ/RJ) O colono Thomas Davatz escreveu, numa fazenda de café paulista, em meados do século XIX, “O caso do Brasil é o de um país que já perdeu todo o crédito. E o castigo que merece tal país é, nem mais nem menos, do que a retirada de todos os colonos que lá se acham e a supressão do tráfico brasileiro de braços europeus”.DAVATZ, Thomas. Memórias de um colono no Brasil. São Paulo: Martins-Edusp, 1972.
O autor, ele mesmo um colono estrangeiro que trabalhou na atividade cafeeira, está denunciando, através de seu texto:
A - que os fazendeiros brasileiros, em geral, praticavam o tráfico de escravos europeus, após 1831;
B - as péssimas condições de vida dos colonos italianos que vieram para as grandes fazendas de café de São Paulo, após a adoção da imigração subvencionada pelo governo provincial;
C - que o Brasil é um país que perdeu todo o seu crédito, porque os cafeicultores do Oeste Novo paulista não pagavam a seus colonos pelos serviços prestados;
D - as péssimas condições de vida e de trabalho dos estrangeiros que vieram trabalhar nas colônias de São Paulo, em parceria com os proprietários de terra, onde eram tratados com desrespeito e viviam em crescente endividamento com os fazendeiros que os contratavam;
E - que a vinda de imigrantes para o trabalho nas lavouras do Brasil, em geral, e na cafeicultura paulista, em particular, era inadequada por sua inadaptação às condições climáticas e ao convívio com os escravos.

Questão 30: (UFRRJ/RJ) “Em meados do século XIX (...) o Império ingressou numa era de mudanças relacionadas à própria expansão do capitalismo. Os ventos do progresso começaram a chegar ao país, atraídos pelas possibilidades de investimentos e lucros em setores ainda inexplorados”. NEVES, Lucia e MACHADO, Humberto. O Império do Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999. p. 313. Assinale a opção que melhor identifica a noção de “progresso”, construída na segunda metade do século XIX, no Brasil:
A - Os mocambos eram palácios inspirados no estilo europeu e expressavam o ideal de riqueza e progresso da elite imperial.
B - A rodovia era considerada o símbolo do progresso porque diminuía as distâncias entre as áreas produtoras e o mercado interno de produtos agrícolas.
C - A descoberta de ouro e diamante, em Minas Gerais, deu concretude à noção de progresso do Império Brasileiro.
D - A construção das ferrovias, na segunda metade do século XIX, significou a consolidação de empresas capitalistas subordinadas aos interesses escravistas dos produtores de café.
E - A imagem da capital “civilizada” com seus salões e clubes deu a São Paulo o status do lugar de diversão e entretenimento da “boa sociedade”.

Questão 31: (UNIFESP/SP) "Será exagero... dizer-se que os colonos se acham sujeitos a uma nova espécie de escravidão, mais vantajosa para os patrões do que a verdadeira, pois recebem os europeus por preços bem mais moderados do que os dos africanos... Sem falar no fato do trabalho dos brancos ser mais proveitoso do que o dos negros?" Thomas Davatz, Memórias de um colono no Brasil, 1854-1857. Do texto pode-se afirmar que:
A - denuncia por igual a escravidão de negros e brancos;
B - revela a tentativa do governo de estimular a escravidão branca;
C - indica a razão pela qual fracassou o sistema de parceria;
D - defende que o trabalho escravo é mais produtivo que o livre;
E - ignora o enorme prejuízo que os fazendeiros tiveram com a contratação dos colonos.

Questão 32: (PUC-SP) Entre 1864 e 1870, a Guerra do Paraguai opôs o Paraguai à Tríplice Aliança, composta por Argentina, Brasil e Uruguai. Sobre essa Guerra, é possível afirmar corretamente que:
A - se relaciona ao processo de construção dos Estados Nacionais na região do Prata e à disputa pela hegemonia na região;
B - demonstrou a fragilidade militar dos países envolvidos e permitiu a penetração armada e comercial norte-americana na região;
C - resultou exclusivamente da ambição excessiva de Solano López, ditador do Paraguai, e de seus interesses expansionistas;
D - consolidou a hegemonia espanhola na região e impediu a conclusão do processo de independência política do Paraguai;
E - levou ao rompimento das relações diplomáticas entre os quatro países e à busca, por eles, de parcerias mercantis com a Inglaterra.

Questão 33: (UNESP/SP) Observe a charge de Ângelo Agostini, publicada no periódico A Vida Fluminense, em 11 de junho de 1870.
A charge expressa:
A - a violência e brutalidade do regime escravista, que reconhecia a humanidade do escravo, mas o obrigava a trabalhar sem remuneração e punia o menor erro ou descuido;
B - o paradoxo decorrente da incorporação de escravos no exército brasileiro e de sua participação nas lutas travadas em defesa do país na segunda metade do século XIX;
C - a tomada de posição dos oficiais do exército brasileiro que, a partir de 1850, não só se negaram a perseguir os escravos fugidos, como abrigaram os mesmos nos quartéis;
D - o programa imperial de rápida abolição da mão-de-obra escrava, especificamente nas grandes cidades brasileiras;
E - a intensificação da repressão aos quilombos e à fuga de escravos, que cresceu na medida em que se fortaleciam os movimentos em prol da abolição do regime.

Questão 34: (PUC-MG)
(Fonte: Anuário Estatístico do Brasil, 1939) A contextualização histórica dos dados acima exposto permite afirmar:
A - Em função da Guerra de Secessão ocorrida nos na década de sessenta, as exportações brasileiras algodão conheceram uma sensível recuperação.
B - Apesar da perda de competitividade no mercado internacional, o açúcar continuou sendo o principal produto das exportações brasileiras na primeira metade do século XIX.
C - Na década seguinte à abolição do regime de trabalho escravo no Brasil a produção de café foi reduzida drasticamente, perdendo a posição de liderança nas exportações.
D - A crescente demanda externa pela borracha fez esse produto a superar as exportações de couro durante toda a segunda parte do século em questão.

Questão 35: (UNIMONTES/MG) Observe o quadro abaixo:
(Fonte: SODRÉ, N.W. História da burguesia brasileira. In: MATOS, Ilmar Rohloff de; GONÇALVES, Márcia de Almeida. O Império da boa sociedade. São Paulo: Atual, 1991, p. 49) Com o auxílio do quadro, assinale a alternativa correta.
A - A exportação de cacau decresceu ao longo do 2o. Império, superada pelo cacau do Haiti, em função da incapacidade dos produtores em se adequarem às exigências dos novos consumidores, mas superou-se durante a Guerra Civil Haitiana.
B - A expansão cafeeira representou, por um lado, saída para a crise econômica brasileira e, por outro, a possibilidade de ascensão socioeconômica de proprietários de terras e comissários de café.
C - O aumento da exportação do algodão vincula-se à alta qualidade do produto, advinda das novas estruturas fundiárias e da vinda de imigrantes que, sendo parceiros nas plantações, sentiam-se estimulados aumentar e melhorar a produção.
D - A ampliação acelerada da produção de borracha relacionada à popularização do uso de automóveis, advinda da chamada Segunda Revolução Industrial, presente em todo o mundo, a partir de 1850.

Questão 36: (UEG) O Segundo Reinado (1840-1889), em contraposição ao Período Regencial (1831-1840), foi marcado por um clima de estabilidade política. A presença do Imperador, nas décadas de 40 e 50 do século XIX, impôs uma nova ordenação do poder por meio de inúmeras iniciativas reformistas, que se caracterizaram:
A - pela centralização do poder político, que permitiu o controle das províncias, a garantia da ordem e a gestão do fim do tráfico de escravos exigido pela Inglaterra;
B - pela distribuição de terras como forma de atrair os imigrantes europeus para a lavoura de café;
C - pelo incentivo ao fim do trabalho escravo e do tráfico negreiro, atividades incompatíveis com o processo de modernização em curso;
D - pela descentralização do poder político com o reforço das autoridades provinciais, que tiveram novas atribuições definidas pelo Ato Adicional;
E - pela modernização do exército brasileiro, que ocupou papel central na vida política do país ao garantir a ordem política no tumultuado período regencial.

Questão 37: (UFC) A grande seca de 1876-1879 teve uma magnitude planetária. Foi a primeira de três crises de subsistência que atingiram o mundo na segunda metade do século XIX. No Nordeste brasileiro ocorreu, entre 1877 e 1879, um período de seca, sobre o qual pode-se afirmar corretamente que:
A - despertou, na classe dominante, solidariedade nunca antes vista, pois compartilhou alimentos e habitação com os flagelados;
B - o período foi caracterizado pela concessão de empréstimos para fins sociais, vindos sobretudo da Europa, e isso minimizou o sofrimento da população nordestina atingida pela seca;
C - colocou entre as prioridades do governo a realização das obras públicas necessárias a solucionar o problema das secas futuras;
D - os efeitos agravaram-se pela demora e insuficiência dos socorros ministrados pelo Estado, que instaurou os chamados socorros indiretos, isto é, que os flagelados deviam trabalhar para receber os socorros;
E - as condições sanitárias foram garantidas pela vacinação contra a varíola, o que evitou a disseminação desta doença.

Questão 38: (UECE) Leia com atenção o texto de Chico Buarque, um expoente da música brasileira contemporânea, sobre a difícil
“vida fácil” de uma prostituta:
“Se acaso me quiseres
Sou dessas mulheres
Que só dizem sim.
Por uma coisa à toa
Uma noitada boa,
Um cinema, um botequim
E se tiveres renda
Aceito uma prenda
Qualquer coisa assim
Como uma pedra falsa
um sonho de valsa
Ou um corte de cetim
Mas, na manhã seguinte
Não conta até vinte
Te afastas de mim
Pois já não vales nada,
És página virada,
Descartada, do meu folhetim.
(FOLHETIM – Chico Buarque de Holanda)


A respeito da prostituição, os textos médicos produzidos entre 1840 e 1890 encaravam a sexualidade como função orgânica vinculada à necessidade de reprodução da espécie.
Nesse sentido, marque a opção falsa: Naquela época, a prostituição era encarada como:
A - um comportamento sexual desviante, vinculado ao lado libertino da mulher;
B - um desvio que trazia implícita a percepção da sexualidade doentia;
C - uma distorção da natureza e uma forma de perversão;
D - como uma função orgânica; portanto, um dado da natureza.

Questão 39: (UEL/PR) O debate em torno da política imigratória fez-se presente no Brasil antes da Independência política, acirrando-se em 1850 com a proibição do tráfico negreiro. Sobre os diferentes posicionamentos diante do tema da imigração no período, leia o texto a seguir: "Determinados a consolidar a grande propriedade e a agricultura de exportação, os fazendeiros e o grande comércio buscavam angariar proletários de qualquer parte do mundo, de qualquer raça, para substituir, nas fazendas, os escravos mortos, fugidos e os que deixavam de vir da África. Preocupados, ao contrário, com o mapa social e cultural do país, a burocracia imperial e a intelectualidade tentavam fazer da imigração um instrumento de ‘civilização’, a qual, na época, referia-se ao embranquecimento do país [...]." (ALENCASTRO, Luiz Felipe de; RENAUX, Maria Luiza. Caras e modos dos migrantes e imigrantes. In: NOVAIS, Fernando (org.). História da vida privada no Brasil 2. São Paulo: Companhia das Letras. 1997. p. 293.) Com base no texto e nos conhecimentos sobre política imigratória no Brasil, é correto afirmar:
A - Embora houvesse divergências entre fazendeiros e burocracia imperial quanto à forma de conceber a imigração, ambos concordavam que os asiáticos constituíam a nacionalidade que melhor se adequaria ao projeto de civilizar o país.
B - Na segunda metade do século XIX, o tema da imigração ocupou espaço restrito no cenário sociopolítico e econômico brasileiro, motivo pelo qual deixou de ser incorporado pela imprensa brasileira da época.
C - Para os fazendeiros, a imigração significava a continuidade do latifúndio exportador, enquanto para os altos funcionários acenava para a oportunidade tão esperada de "civilizar" o conjunto da sociedade.
D - O debate sobre a nacionalidade distanciava-se da discussão sobre a imigração, o que tornava insignificante a origem dos imigrantes para o conjunto do pensamento político brasileiro.
E - No debate sobre a imigração, os fazendeiros, especialmente os cafeicultores paulistas, defendiam a formação de núcleos coloniais que possibilitassem a reconstrução da identidade cultural dos imigrantes.

Questão 40: (UEM/PR) O fim da escravidão negra e a constituição do mercado de trabalho livre foram problemas centrais da sociedade brasileira no século XIX. A respeito desses dois problemas, assinale a(s) alternativa(s) correta(s):
1 - Embora existissem grandes quantidades de trabalhadores excedentes na Europa, no século XIX, ele resistiram, inicialmente, em vir para o Brasil, em razão dos maus tratos que os primeiros imigrantes europeus haviam recebido dos fazendeiros escravistas brasileiros, que eram acostumados a tratar o trabalhador como coisa ou como mero instrumento de produção.
2 - Em 1850, sob pressão da Inglaterra, o Governo Brasileiro decreta a Lei Eusébio de Queiroz, que extingue o tráfico de escravos africanos para o Brasil. A partir daí, fortalece-se, entre os fazendeiros, a idéia de importação de trabalhadores livres europeus para trabalharem nas fazendas.
4 - A Lei de Terras de 1850 foi decretada com o objetivo de manter o antigo sistema de sesmarias e de impedir o acesso dos imigrantes europeus à propriedade da terra, através da compra em leilões públicos.
8 - Parte considerável dos imigrantes que ajudaram a formar o mercado de trabalho livre no Brasil veio da Itália, país que passou por agitações políticas e por transformações econômicas na agricultura, na segunda metade do século XIX.
16 - O que estimulou a transformação do escravo liberto em trabalhador livre e a atração de trabalhadores europeus para o Brasil foi a legislação trabalhista criada por D. Pedro II, em 1870. De acordo com essa legislação, tanto o escravo liberto quanto o trabalhador livre europeu eram beneficiados com vários direitos, entre eles, férias remuneradas de 30 dias, salário mínimo e aposentadoria após 30 anos de trabalho.
SOMATÓRIA (_____)

Questão 41: (PUC-PR) - Pontifícia Universidade Católica do Paraná -
O Segundo Reinado (1840-1889) marcou o auge da forma de governo monárquica no Brasil. A respeito da política externa dessa época, assinale a única alternativa INCORRETA:
A - O Império, aproveitando-se da rebelião dos seringueiros e revelando traços imperialistas, obteve da Bolívia a região do Acre, formalizando a conquista com o Tratado de Petrópolis.
B - A Questão Christie culminou com o rompimento de relações diplomáticas com a Inglaterra.
C - O Império interveio militarmente no Uruguai e provocou a queda de Aguirre, do Partido Blanco, apesar da solidariedade que este tinha de Solano Lopes.
D - O Império interveio militarmente na Argentina, juntamente com algumas províncias deste país, em rebelião contra seu presidente, João Manuel Rosas.
E - Nenhum atrito digno de registro ocorreu entre o Brasil e o Império Alemão, do qual recebemos numerosos colonos ou imigrantes.

Questão 42: (PUC-PR) O Tratado da Tríplice Aliança foi assinado em 1.º de maio de 1865 pelos seguintes países:
A - Bolívia, Brasil e Uruguai;
B - Argentina, Bolívia e Brasil;
C - Argentina, Brasil e Uruguai;
D - Argentina, Bolívia e Uruguai;
E - Argentina, Paraguai e Uruguai.

Questão 43: (UEL/PR) Sobre o processo de industrialização brasileira, assinale o que for correto:
1 - Em meados do século XIX, o Brasil contava com poucas fábricas, destinadas principalmente à produção de tecidos de algodão de baixa qualidade, consumidos no mercado interno pelos pobres e pelos escravos.
2 - O Rio de Janeiro foi impulsionado industrialmente pelo acesso às fontes de energia hidráulica, utilizada nas fábricas.
4 - No final do século XIX, a produção industrial deslocou-se para a Região Centro-Sul; o estado de Minas Gerais é o centro dessa produção, mas o Rio de Janeiro concentrava as mais importantes fábricas.
8 - Os imigrantes participaram do processo de industrialização brasileira apenas como operários, principalmente nas empresas paulistas.
16 - Nos primeiros anos do século XX, a relação, ao mesmo tempo complementar e contraditória entre agricultura exportadora e indústria, possibilitou uma rápida "revolução industrial brasileira", cujo pólo central foi São Paulo.
SOMATÓRIA (_____)

Questão 44: (EMESCAM/ES) Observe o esquema abaixo com atenção e responda ao que se pede:
Situando a economia cafeeira no quadro da economia brasileira, você verifica que:
A - a cafeicultura se opôs à agricultura brasileira colonial quanto ao regime de propriedade;
B - a cafeicultura se opôs à atividade açucareira pelo caráter monocultor desta última;
C - a cafeicultura foi a primeira atividade econômica brasileira voltada para a exportação;
D - a cafeicultura tornou a mão-de-obra escrava existente, assalariada;
E - a cafeicultura repetiu os padrões da agricultura brasileira colonial.

Questão 45: (UFES) OBSERVE OS TEXTOS:
No relato sobre a Revolução Praieira acima reproduzido, é possível identificar como uma importante razão do
movimento a:
A - atuação da imprensa conservadora de Recife;
B - exoneração do gabinete conservador;
C - agitação dos escravos malês;
D - extinção da Guarda Nacional por Feijó;
E - demissão do Ministério liberal.

Questão 46: (EMESCAM/ES) Observe o mapa e o texto a seguir e responda:
No sul do Espírito Santo, a cultura cafeeira recebeu um maior impulso porque se tornou uma extensão do plantio mais antigo e próspero de uma região vizinha, conhecida como:
A - Recôncavo Baiano;
B - Triângulo Mineiro;
C - Oeste Paulista;
D - Plataforma de Campos;
E - Vale do Paraíba.

Questão 47: (UNEMAT/MT) Após o término da Guerra do Paraguai e a reabertura da Bacia Platina, Mato Grosso foi um estado que se beneficiou, no que se refere a sua modernização. Sobre essa afirmativa, julgue as alternativas:
A - O Estado de Mato Grosso recebeu incentivos para desenvolver a industrialização de produtos agrícolas e pecuários para exportação e isso possibilitou um ordenamento urbano das cidades mais populosas,
especialmente, Cuiabá e Várzea Grande.
B - As cidades de Cuiabá, Cáceres e Corumbá foram uma elite mercantil refinada em negócios de importação e exportação, a qual constituiu novos padrões de comportamento sociais e culturais.
C - A extração e a comercialização da poaia, também conhecida como ipecacuanha, foram intensificadas nas matas mato-grossenses localizadas nas bacias do Paraguai e Guaporé. Sua exportação para os
mercados europeus ajudou a melhorar os índices da economia estadual.
D - Com o Acordo de Paz no final da guerra, o Paraguai se comprometeu a ser parceiro na construção da ferrovia Madeira–Momoré, proporcionando as vias do progresso para o estado de Mato Grosso.

Questão 48: (UERJ) As motivações que originaram a Lei de Terras, de 1850, ainda hoje são causas de conflitos em relação à propriedade rural no Brasil.
Dentre as questões levantadas nos artigos transcritos, aquelas que caracterizam a atual estrutura fundiária no Brasil são:
A - mercantilização da terra e expulsão de posseiros pobres;
B - exclusão de grileiros e internacionalização da propriedade;
C - obrigatoriedade de registro oficial e predomínio de terras devolutas;
D - instituição de gratuidade nas fronteiras e obrigatoriedade de produção.

Questão 49: (UEL/PR) Observe as imagens a seguir:
Com base nas imagens e nos conhecimentos sobre a política de recrutamento no Brasil na época da Guerra do Paraguai (1864-1870), assinale a alternativa que remete à interpretação de Ângelo Agostini sobre o tema:
A - O autor enfatiza a harmonia presente na política de recrutamento para a Guarda Nacional, a qual obteve o apoio do conjunto da população brasileira, que se dispôs a ser "Voluntário da Pátria".
B - Os desenhos de Agostini constituem-se numa exaltação ao patriotismo, pois conclamam à adesão de todos os brasileiros para lutar contra o Paraguai.
C - O traço caricatural nos desenhos do autor denota o seu vínculo com a imprensa monárquica, que buscava mobilizar a população usando de estratégias humorísticas.
D - Ao compor uma situação imaginária da paisagem brasileira, Agostini afasta-se da realidade apresentada pelos desdobramentos da Guerra do Paraguai no cotidiano da época.
E - Agostini apresenta uma caricatura do cenário político brasileiro que remete à Guerra do Paraguai, período no qual as populações livres pobres são aterrorizadas com o recrutamento forçado.

Questão 50: (UFPE) O segundo reinado no Brasil ocorreu sem as muitas instabilidades políticas que marcaram os primeiros anos da independência. Pernambuco, que mantinha uma tradição liberal, decorrente de movimentos, como a Revolução de 1817 e a Confederação do Equador, mostrou seu descontentamento com o governo central na Revolução Praieira de 1848. Com relação ao movimento praieiro, podemos afirmar que:
A - tinha a liderança das elites políticas liberais e expressava também o radicalismo político dos grupos socialistas pernambucanos;
B - foi cenário de confrontos militares, que obrigaram o governo a reforçar suas tropas e a julgar os rebeldes presos com rigor;
C - foi um movimento político socialista, que expressou ideais de liberdade e de socialização das riquezas;
D - ameaçou o governo central, pois contou com o apoio militar de várias províncias do Norte e do Nordeste;
E - não passou de uma rebelião local, sem grandes repercussões políticas, restringindo-se a uma disputa por cargos administrativos.

Questão 51: (PUC-SP) Durante o Segundo Império (1840-1889), o Brasil passou por uma fase de implantação de tecnologia estrangeira. O telégrafo e o transporte ferroviário são exemplos privilegiados da tentativa de modernizar o país. Pode-se considerar que esse esforço foi:
A - resultado da busca de uma integração mais clara com o mercado internacional, pois permitia adquirir tecnologia estrangeira e intensificar a exportação de produtos agrícolas;
B - resultado exclusivo da mentalidade progressista do Imperador D. Pedro II, homem de letras e amigo de grandes inventores, e por isso deixou de ocorrer após a proclamação da República;
C - relacionado às determinações inglesas de substituir a mão-de-obra escrava por assalariada, pois esta implicava intensa mecanização da agricultura e exigência de operários especializados nas fábricas;
D - voltado à ampliação do relacionamento comercial brasileiro com os países vizinhos da América do Sul, e por isso ocorreu logo após as campanhas militares brasileiras no Prata;
E - rejeitado pelos abolicionistas, que consideravam a modernização tecnológica uma forma de perpetuar a utilização de mão-de-obra escrava, pois não exigiria maior qualificação do trabalhador.

Questão 52: (FUVEST/SP) O caderno MAIS! da Folha de S.Paulo, em sua sessão Memória, apresentou artigo de Francisco Doratioto com o título "As Versões de um Mito". O artigo trata do bicentenário de nascimento do Duque de Caxias, oportunidade para reconstruir a figura do militar brasileiro à luz de seu tempo. De acordo com o artigo: "A longa carreira militar de Caxias confundiu-se com a história do Império do Brasil. No fortalecimento do Estado monárquico, Caxias participou de quase todos os conflitos armados, em defesa do projeto de centralização política e manutenção de integridade territorial do país."
(Fonte: Folha de S. Paulo, 07/09/2003) A respeito de Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias, é correto afirmar:
A - Tomou parte diretamente nos governos das regências trinas durante o Período Regencial.
B - Mediante o uso combinado da força e da negociação, obteve o fim da Revolta Farroupilha ou Guerra dos Farrapos.
C - Comandou as forças imperiais que derrotaram e reprimiram a Revolução Praieira, em Pernambuco.
D - Comandante das forças imperiais, na Guerra do Paraguai, comandou a feroz perseguição contra Solano Lopez, que culminou com a morte do presidente paraguaio em Cerro Corá.
E - Incompatibilidade com o governo imperial, foi um dos articuladores do movimento republicano nos meios militares.

Questão 53: (UFRRJ/RJ) Leia o texto abaixo sobre a Guerra do Paraguai.
Enquanto o café seguia sua marcha no Oeste Paulista e as propostas de abolição gradual da escravatura davam os primeiros passos, um acontecimento internacional iria marcar profundamente a história do segundo Império. Esse acontecimento foi a Guerra do Paraguai, travada por mais de cinco anos, entre 11 de novembro de 1864, quando ocorreu o primeiro ato das hostilidades, e 1o. de março de 1870. Ela é conhecida, na América espanhola, como Guerra da Tríplice Aliança. (BORIS, F. História do Brasil. São Paulo: Edusp, 1995. p. 208.) A declaração de guerra do Paraguai ao Brasil deu início ao mais longo conflito em território americano. Pode-se afirmar que a Guerra do Paraguai:
A - resultou do acirramento da competição na região do Prata, especialmente pelo controle da produção de charque;
B - foi incentivada pelo apoio da Inglaterra ao Paraguai, na tentativa de fortalecimento do controle econômico sobre a região do Prata;
C - teve como conseqüência a demonstração de poder político da Inglaterra, especialmente após a Questão Christie;
D - levou à formação da Tríplice Aliança, unindo Brasil, Argentina e Uruguai, contra o Paraguai de Francisco Solano López;
E - ocasionou uma nova composição de forças, envolvendo Brasil, Argentina e Bolívia, após o aprisionamento do navio brasileiro “Marquês de Olinda”, pelo Uruguai.

Questão 54: (UNIRIO/RJ) OBSERVE A IMAGEM:
O mapa acima apresenta exemplos da mobilidade de trabalhadores no Brasil durante a segunda metade do século XIX. A alternativa que indica dois fatores adequadamente correlacionados a duas das rotas assinaladas é:
A - ampliação da imigração para o Sul e tráfico de escravos para o Nordeste;
B - surto industrial na Região Sudeste e início da ocupação econômica do Norte;
C - expansão da cafeicultura em São Paulo e exploração da borracha no Norte;
D - desenvolvimento da exportação na Região Sul e declínio da cafeicultura no Rio de Janeiro.

Questão 55: (UFSCAR/SP) Sobre a história da urbanização no Brasil, é correto afirmar que:
A - as vilas e as cidades, no período colonial, contribuíram para criar uma tradição de vida urbana desde o século XVII;
B - as descrições dos viajantes da primeira metade do século XIX mostram um quadro de intenso crescimento da vida nas cidades;
C - a urbanização no final do século XIX decorreu da concentração de capitais em áreas com economia em expansão e da formação, mesmo incipiente, de um mercado interno;
D - no final do século XIX, por conta da abolição, os setores médios urbanos da população cresceram e ameaçaram a visão de mundo da aristocracia rural brasileira;
E - as principais capitais brasileiras, no final do século XIX, já eram modernas, com espaços ordenados, uniformes e divididos segundo segmentos sociais.

Questão 56: (ACAFE/SC) Acerca da cultura no Brasil, no final do século XIX, é incorreto afirmar:
A - O Segundo Reinado valorizou a educação, fundando vários estabelecimentos de nível superior: as Universidades Imperiais.
B - O analfabetismo e o reduzido número de alunos nos cursos primários eram uma constante no país.
C - Como instituição científica foi criado o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro que contribuiu, até hoje, no estudo e na divulgação da História e Geografia.
D - Na literatura, por influência da Europa, a manifestação mais significativa foi o Romantismo.
E - Cada província, durante o Império, possuía seu sistema de ensino com legislação própria sobre educação.

Questão 57: (UFRGS) Observe o mapa a seguir:
Adaptado de: DORATIOTO, Francisco. Maldita guerra. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. p. 169. Levando em consideração a situação da política externa brasileira no Prata durante o Segundo Reinado e as informações contidas no mapa, é correto afirmar que ele representa a ocupação do Rio Grande do Sul pelas:
A - forças militares paraguaias, no início da Guerra da Tríplice Aliança;
B - forças militares argentinas, durante a Guerra da Cisplatina;
C - forças da coalizão liderada pelos caudilhos Oribe e Rosas, durante a guerra civil uruguaia;
D - forças militares paraguaias, durante a Revolução Federalista;
E - forças militares argentinas, durante a Guerra dos Farrapos.

Questão 58: (EMESCAM/ES) I. Fatores Externos (Europa): inovações tecnológicas; transformações na agricultura; êxodo rural.
II. fatores Internos: expansão da lavoura cafeeira; aceleração do processo abolicionista.
A conjugação desses fatores externos e internos permitiu ao Brasil no período de 1850-1888:
A - acelerar a cafeicultura no Vale do paraíba, com a introdução da mão-de-obra do imigrante europeu;
B - iniciar a expansão da cafeicultura no Oeste Paulista, independentemente da mão-de-obra escrava;
C - mecanizar a lavoura cafeeira e dispensar a utilização de mão-de-obra numerosa;
D - realizar a transição do trabalho escravo para o trabalho livre, utilizando mão-de-obra européia;
E - substituir o escravo pelo imigrante europeu como mão-de-obra da cafeicultura.

Questão 59: (Unibahia/BA) Vários fatores se conjugaram para que a monarquia brasileira entrasse em crise e fosse substituída por uma nova forma de governo, a republicana. Entre esses fatores, destaca-se:
A - o descontentamento da oligarquia nordestina com a criação da Lei da Terra, que iria reduzir os seus latifúndios;
B - a reação contrária da sociedade imperial à presença da Inglaterra na economia nacional, impondo produtos e acordos econômicos prejudiciais à indústria brasileira;
C - o incidente ocorrido entre a igreja e o Estado Imperial, que provocou o surgimento de movimentos sociais em defesa da Igreja e o fim da monarquia, como a Revolta de Canudos;
D - a insatisfação da burguesia agrária paulista alijada do poder e impedida de colocar em prática suas idéias progressistas, já que o poder político do Império estava nas mãos dos senhores escravocratas;
E - o crescimento das atividades econômicas urbanas que determinou uma maior pressão pela abolição da escravatura, por parte da burguesia industrial, que desejava introduzir o trabalho livre e aumentar o mercado consumidor interno.

Questão 60: (Unibahia/BA) Em relação ao quadro socioenômico e político do Brasil, durante o Regime Monárquico, é correto afirmar:
A - A situação de miséria e de exclusão social vivida pelos habitantes das zonas rurais provocou a eclosão de conflitos, como a Revolução Constitucionalista e a Revolta do Contestado.
B - A sociedade passou por mudanças fundamentais na segunda metade do século XIX, com o processo de substituição do trabalho escravo, com o crescimento das cidades e com a instalação das primeiras indústrias.
C - A "política dos governantes", implantada no Segundo Reinado, desempenhou um importante papel na manutenção do regime pelo seu apoio ao governo central, em troca do reconhecimento do seu domínio regional.
D - A emissão do papel-moeda em larga escala, a desenfreada especulação com os papéis e as ações, apelidada de "encilhamento", caracterizou a fase final do império, sendo um dos fatores responsáveis por sua queda.
E - A implantação de um sistema bancário eficiente e capaz de fornecer os empréstimos necessários ao crescimento da lavoura cafeeira permitiu a manutenção de uma política financeiramente independente das potências estrangeiras.

Questão 61: (UFF/RJ) A segunda metade do século XIX foi marcada pelo apogeu do cientificismo no mundo ocidental. A Ciência transformava-se na panacéia para todos os males, capaz de indicar soluções para tudo, inclusive prever, controlar e disciplinar os homens e seus comportamentos. Desde o evolucionismo de Darwin até o positivismo de Augusto Comte, a idéia de progresso servia como "bússola" no caminho da modernidade. À luz dessas informações, indique a opção que define o contexto de introdução das idéias positivistas no Brasil!
A - O Positivismo ganhou destaque no Brasil ao penetrar na Escola Militar do Rio de Janeiro, que preparava jovens oficiais com vistas à abolição da escravidão e à implantação do regime republicano.
B - O Positivismo penetrou no Brasil através da visita de uma missão militar inglesa ao país, atingindo seu apogeu com a proclamação da República por Deodoro da Fonseca, um de seus principais líderes.
C - A idéia de progresso contida no Positivismo baseava-se na crença em um estágio superior da evolução humana a ser atingido, no caso do Brasil, quando toda a população do país fosse alfabetizada e gozasse de cidadania política.
D - O Positivismo difundiu-se no Brasil, sobretudo através da juventude militar formada pela Escola da Praia Vermelha, que valorizava o mérito individual e acreditava na Ciência Positiva como religião da humanidade, em oposição ao catolicismo.
E - A difusão do Positivismo no Brasil deveu-se à sua penetração no Exército, envolvendo tanto a juventude militar, quanto suas lideranças formadas pelos oficiais de alta patente, dentre eles, Deodoro da Fonseca e Caxias.

Questão 62: (UFMG) Considerando-se as relações entre a conjuntura econômica e o sistema de transporte brasileiro no século XIX, é correto afirmar que:
A - o surgimento de uma extensa rede viária destinada ao escoamento da produção industrial foi possível, fundamentalmente, a partir do investimento público capitaneado pelo Banco do Brasil;
B - as principais rotas do sistema de circulação então criadas subsistem até os dias de hoje, notadamente no que respeita às auto-estradas, que começaram a surgir no meio do século, para atender à crescente produção de automóveis;
C - as principais vias de transporte criadas à época se situaram na Região Sudeste, atendendo às demandas crescentes da cafeicultura, sendo os investimentos oriundos, em grande parte, de capital estrangeiro.
D - o comércio do açúcar, reabilitado após a crise da mineração, estimulou o surgimento de inúmeras autovias e ferrovias, construídas com capital nacional e que se concentravam na região da mata nordestina.

Questão 63: (UEMG) Leia a tabela:
(Fonte: CANABRAVA, Alice. A Grande Lavoura. In: História Geral da Civilização Brasileira, tomo II, V. 4, 1977. p. 119.) Considerando-se os dados da tabela e o contexto histórico a que eles se referem, pode-se afirmar, exceto:
A - Três medidas governamentais foram responsáveis pela desarticulação da produção cafeeira no período: a Lei de Terras, a Lei Euzébio de Queirós e a Lei do Ventre Livre.
B - Tal como no Período Colonial, sudeste e nordeste continuaram sendo as áreas de concentração da produção destinada ao mercado externo.
C - A porcentagem alcançada pelo algodão na década de 60 do século XIX tem relação com a guerra civil norte-americana.
D - Apesar da predominância do café durante o Segundo Reinado, a pauta de exportações agrícolas brasileiras era diversificada.

Questão 64: (UNIFOR/CE) Considere o texto. A questão da imigração transformou-se em um problema vital para as populações pobres de muitos países europeus. Muitos ousaram dar o primeiro passo decisivo, buscando melhores dias em terras distantes. E o resultado é que foi um sonho. Iludiram-se por relatos atraentes dos países, por cartas ou informes sedutores e fascinantes de amigos, de parentes, iludiram-se pelos prospectos de propaganda e também, sobretudo, pela atividade infatigável dos agentes de emigração, mais empenhados em rechear os próprios bolsos do que em suavizar a existência do pobre. (...) Em companhia de numerosos outros imigrantes embarquei na primavera de 1855 para essa terra, mas não tardei em chegar à convicção de que: desta vez estou perdido. (Thomas Davatz. Memórias de um colono no Brasil. 1858. In: Coletânea de documentos históricos. São Paulo: Secretaria da Educação/CENP, 1985. p. 26) O texto refere-se ao processo de imigração que ocorreu no Brasil na segunda metade do século XIX. A partir do texto e do conhecimento histórico, pode-se afirmar que:
A - os imigrantes obtiveram conquistas importantes na província de São Paulo, uma vez que se beneficiaram da distribuição de terras feita pelo governo paulista;
B - a expansão cafeeira em São Paulo estimulou a vinda de imigrantes em razão da extinção do tráfico de escravos e devido aos elevados preços escravo no tráfico interno;
C - os europeus emigraram para o Brasil por terem se desiludido com a falsa propaganda política dos seus governos, que não cumpriam as promessas de acabar com o desemprego no campo;
D - os imigrantes não se adaptaram ao trabalho no Brasil em razão das condições climáticas e das dificuldades de comunicação com os brasileiros;
E - os europeus que chegaram ao Brasil não ficaram satisfeitos porque eram submetidos à mesma legislação que regia o trabalho escravo.

Questão 65: (UNIFOR/CE) Leia atentamente o texto. "Sob todos os aspectos, a guerra fora um desastre para o Império do Brasil: custara mais de 80 mil contos de réis e cerca de 8 mil mortos, do lado brasileiro; as atividades produtivas na Província do Rio Grande do Sul tinham sido seriamente prejudicadas e, durante a guerra, a insistência do Brasil no Bloqueio do Rio da Prata gerara uma manifestação belicosa da frota francesa bem em frente ao Rio de Janeiro. Por fim, a derrota do Imperador, numa guerra impopular, acabara por destruir o último vestígio de garbo do .Defensor Perpétuo do Brasil., contribuindo assim para sua abdicação, em 1831". (João Luis Fragoso e Francisco Carlos Teixeira da Silva. In: Maria Yedda Linhares. História Geral do Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 1990. p. 198) Durante o Império Brasileiro, o Brasil envolveu-se em vários conflitos com os países do Cone Sul. O conflito mencionado no texto foi a:
A - Guerra da Cisplatina;
B - Guerra do Paraguai;
C - Revolução Farroupilha;
D - Guerra de Canudos;
E - Guerra contra Rosas.

Questão 66: (PUC-RS) No final do Império, a escravidão e as epidemias que assolavam o Rio de Janeiro foram fatores que restringiram a imigração européia para as lavouras de café. A República, influenciada por novas filosofias européias, entre elas o positivismo, que se expressou no lema "Ordem e Progresso" de nossa bandeira, procurou romper com essa imagem, promover a modernização e estimular o ingresso de imigrantes e de capitais, por meio:
A - de uma política de distribuição de terras no Sudeste, em especial no oeste paulista, para atrair pequenos agricultores europeus;
B - do estímulo à produção industrial, com investimento direto do Estado e controle rigoroso dos gastos públicos;
C - da busca da integração dos ex-escravos ao sistema produtivo, e da ampliação da participação política das classes populares;
D - da criação, pelo Estado, de leis trabalhistas e de caixas de assistência ao trabalhador;
E - de grandes reformas urbanas no Rio de janeiro, modernizando o porto e abrindo a Avenida Central, e das campanhas sanitaristas de Osvaldo Cruz.

Questão 67: (UNESP/SP) No final do Império, afirmava-se que a Província de São Paulo fora tomada por uma febre de ferrovias. As estradas de ferro foram essenciais para:
A - o escoamento da produção industrial da Província, que economicamente já se firmara como a mais importante da federação;
B - o aumento da produção de açúcar no Vale do Paraíba, então a área mais dinâmica da agricultura paulista;
C - iniciar o tráfico da mão-de-obra escrava das economias açucareiras decadentes do Nordeste para as áreas produtoras de café;
D - o aumento da entrada de imigrantes, que antes não conseguiam chegar às áreas mais distantes do porto de Santos;
E - a expansão da cafeicultura no chamado oeste paulista, graças à rapidez, eficiência e facilidade para o transporte até o porto de Santos.

Questão 68: (FUVEST/SP) Em certo sentido, os portugueses, os espanhóis e os italianos, compondo os maiores contingentes imigratórios para o Brasil, registrados entre a independência e a Primeira Guerra Mundial, satisfaziam as reivindicações dos dois grupos de pressões nacionais. (Maria L. Renaux e Luiz F. de Alencastro. História da Vida Privada no Brasil.) Uma das reivindicações atendidas com a entrada desses imigrantes foi a de:
A - políticos nortistas para povoar as áreas de fronteiras;
B - fazendeiros escravagistas para aumentar a produção canavieira;
C - políticos defensores do embranquecimento da população nacional;
D - industriais paulistas para obtenção de mão-de-obra especializada;
E - políticos europeus para solucionar problemas decorrentes da unificação nacional.

Questão 69: (UFRGS) Leia o texto que segue: "A mais longa, mais sanguinolenta e mais destrutiva das guerras que assolaram a América do Sul no século XIX foi a Guerra do Paraguai, ou Guerra da Tríplice Aliança, que começou com a declaração de guerra pelo Paraguai em primeiro lugar ao Brasil e depois à Argentina, seguida por uma invasão de territórios desses dois países, e acabou por se tornar uma guerra travada entre Brasil, Argentina e Uruguai para a destruição do Paraguai.. (BETHEL, Leslie. A Guerra do Paraguai. História e historiografia. In: MARQUES, Maria E. C. Magalhãaes (org). A Guerra do Paraguai 130 anos depois. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1995.)
Quanto às causas da maior guerra que assolou a América do Sul no século XIX, é correto afirmar que:
A - o poderio militar e econômico do Paraguai determinou a eclosão da Guerra, que procurava deter o vertiginoso crescimento desse país;
B - o Império do Brasil participou da Guerra, pois o Paraguai representava uma séria ameaça à sua soberania nacional;
C - a Inglaterra procurou evitar ou, pelo menos, retardar ao máximo a eclosão desse conflito;
D - a Guerra foi o resultado de velhas rivalidades platinas e do processo de formação dos estados nacionais na região;
E - a opinião pública dos países integrantes da Tríplice Aliança sempre foi favorável à Guerra em todas as suas fases.

Questão 70: (CESGRANRIO/RJ) "Dessa forma, o latifúndio cafeeiro foi-se organizando em bases capitalistas e, por isso, fortalecendo-se dentro da estrutura econômica do país, pois viu a influência política deste latifundiário aumentar. Era, então, necessário ampliar essas bases, o que, muitas vezes, não ocorria conscientemente. Portanto, a ampliação dessas bases contribuiu mais adiante para a tentativa de superação de uma estrutura socioeconômica que tinha seus dias contados. O desejo dos cafeicultores em aumentar seus lucros levou-os a encontrar alternativas que superaram as que o modo de produção escravista brasileiro poderia fornecer, contudo, sem condições ainda de substituí-lo." (Aquino, Vieira, Agostino e Roedel. Sociedade brasileira: uma história através dos movimentos sociais. Rio de Janeiro: Record, 1999. p. 552.) Uma das questões que o texto apresenta diz respeito ao:
A - processo de substituição da mão-de-obra escrava pela de imigrantes livres;
B - ingresso de escravos alforriados no mercado de trabalho como assalariados;
C - aumento do tráfico negreiro atendendo à demanda da cultura cafeeira após 1870;
D - fortalecimento da participação do capital inglês no processo de compra de escravos africanos;
E - início da industrialização no Império durante a Era Mauá.

Questão 71: (CESGRANRIO/RJ) "Dessa forma, o latifúndio cafeeiro foi-se organizando em bases capitalistas e, por isso, fortalecendo-se dentro da estrutura econômica do país, pois viu a influência política deste latifundiário aumentar. Era, então, necessário ampliar essas bases, o que, muitas vezes, não ocorria conscientemente. Portanto, a ampliação dessas bases contribuiu mais adiante para a tentativa de superação de uma estrutura socioeconômica que tinha seus dias contados. O desejo dos cafeicultores em aumentar seus lucros levou-os a encontrar alternativas que superaram as que o modo de produção escravista brasileiro poderia fornecer, contudo, sem condições ainda de substituí-lo." (Aquino, Vieira, Agostino e Roedel. Sociedade brasileira: uma história através dos movimentos sociais. Rio de Janeiro: Record, 1999. p. 552.) A Lei de Terras de 1850 foi um dos instrumentos que reforçou a concentração fundiária do Brasil. Um dos objetivos dessa lei foi:
A - incentivar o acesso à terra para imigrantes;
B - impedir que imigrantes e ex-escravos tivessem acesso às terras livres;
C - impedir a comercialização das terras livres;
D - conceder a posse da terra aos escravos libertos;
E - limitar a formação de latifúndios.

Questão 72: (PUC-RIO) As alternativas abaixo apresentam exemplos de permanências ou continuidades na formação social brasileira, ao longo da primeira metade do século XIX, à exceção de:
A - a família patriarcal extensa;
B - o trabalho escravo negro;
C - o exclusivo comercial;
D - a economia de base agrícola;
E - o regime de padroado.

Questão 73: (UERJ) Na segunda metade do século XIX, devido a problemas de abastecimento de água na cidade do Rio de Janeiro, promoveu-se o reflorestamento do Maciço da Tijuca. Um exemplo da grande repercussão do tema na época está representado no seguinte texto de 1870: "A utilidade das florestas nas cercanias das cidades é de toda evidência: o benefício que delas provém é inestimável com relação ao fenômeno meteorológico das chuvas cuja freqüência e regularidade elas operam (...). Em nossa opinião, o belo exemplo da Floresta Nacional da Tijuca deveria ser seguido e aplicado em outros pontos da montanha, que cercam nossa capital, e que se vão escalvando com a derrubada do arvoredo para fabricar carvão (...)" (Instituto Imperial Fluminense apud HEYNEMANN, C. Floresta da Tijuca: natureza e civilização. Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade, 1995.) Hoje, a questão da preservação e da recuperação da cobertura florestal, numa área urbana como a do Rio de Janeiro, é justificada não apenas pelo aspecto meteorológico, mas também pela possibilidade de contribuir para:
A - transformar a fauna e a flora e sua diversidade;
B - explorar os produtos florestais economicamente;
C - regularizar a infiltração e o escoamento das águas pluviais;
D - impedir a ocupação das encostas pelos segmentos desfavorecidos.

Questão 74: (UFRGS) Leia o texto que segue: "Aprovado na Câmara a 3 de setembro, o projeto tornou-se a Lei 601 de 18 de setembro de 1850, a chamada Lei de Terras, que pouco divergia da versão do Senado. [...] a lei estabelecia ainda a venda de terras em hasta pública à vista e a preços mínimos que variavam de meio real a dois réis por braça quadrada, de acordo com o terreno; criava comissários especiais para extremar as terras do domínio público, e previa a criação de uma Repartição Geral de Terras Públicas.."
(CARVALHO, José Murilo, Teatro de Sombras: a política Imperial. São Paulo: Vértice; Rio de Janeiro: IUPERJ, 1988.) É correto afirmar que a Lei de Terras foi sancionada em um contexto de:
A - grande endividamento do Império diante dos gastos com a imigração, pois a receita gerada pela comercialização das terras visava a cobrir esses custos;
B - preocupação com as condições de acesso fácil à propriedade fundiária para a população em geral;
C - percepção do término do tráfico negreiro visando a atrair os recursos antes destinados à aquisição de escravos para os cofres do Império;
D - percepção, pela elite agrária, do andamento da questão da escravidão e da imigração, determinando o interesse dessa elite no estatuto da propriedade rural;
E - entendimento, por parte dos proprietários, de que os conflitos agrários decorriam da falta de demarcação das terras interiores.

Questão 75: (PUC-RIO) "A raça ariana, reunindo-se, aqui, a duas outras totalmente diversas, contribuiu para a formação de uma sub-raça mestiça e crioula, distinta da européia. Não vem ao caso discutir se isto é um bem ou um mal; é um fato e basta." (Sílvio Romero, História da Literatura) Nos anos que antecederam a abolição da escravidão no Brasil e nas décadas que a sucederam, houve uma longa controvérsia, expressa em polêmicas, discursos e livros, acerca do caráter racial brasileiro. Acerca desta questão, analise as afirmativas abaixo:
I. As teses sobre a inferioridade da "raça africana", aliada ao sentimento da sua incapacidade para o trabalho livre e auto-estimulado, reforçaram a opção dos cafeicultores paulistas pela imigração européia.
II. O argumento de "que a raça chinesa abastardada e faz degenerar a nossa" objetivou impedir a imigração de chineses – os "coolies" – para substituir a mão-de-obra escrava.
III. Vários homens de ciência, após a Abolição, defenderam que somente a fusão dos grupos étnicos poderia aprimorar o homem brasileiro, ao propiciar o seu branqueamento.
IV. Ao longo da década de 20, mas principalmente na seguinte, o homem nacional mestiço foi valorizado, sendo inclusive o argumento para a lei da nacionalização do trabalho, de 1931, obrigando todas as empresas urbanas a empregar, pelo menos, 2/3 de mão-de-obra nacional.
Assinale a alternativa que contém as afirmativas corretas:
A - somente I, II e III
B - somente I, III e IV
C - somente II, III e IV
D - somente I, II e IV
E - todas as afirmativas estão corretas

Questão 76: (UNIRIO/RJ) OBSERVE A IMAGEM ABAIXO:
(Bandeira do Brasil imperial, século XIX, Rio de Janeiro, Museu Histórico Nacional, apud: ALENCASTRO, Luiz Felipe de (org.). História da Vida Privada no Brasil 2. São Paulo: Cia das Letras, 1997.)
A bandeira imperial, mostrada acima, bem representa a arquitetura política que se constrói em torno da Coroa e que se consolida no Segundo Reinado. Os ramos de café e tabaco, circundando a Coroa, querem representar as bases de sustentação da mesma, ao passo que ela – Coroa – representa a articulação daqueles interesses que a sustentam. Podemos afirmar que, a partir da Maioridade, a sustentação da Coroa e o seu poder de articulação e representação de interesses foram garantidos por um(a):
A - pacto anticentralismo que, inspirado no modelo parlamentar inglês, reforçava o poder dos presidentes de províncias e das assembléias provinciais;
B - pacto entre liberais e conservadores que, ao limitar o poder da Coroa, abria espaços para uma livre atuação das elites no nível local;
C - pacto das elites em torno da manutenção dos interesses escravistas que a Coroa deveria garantir;
D - articulação dos conservadores com a Coroa, que previa uma completa exclusão dos liberais do cenário político;
E - reforma constitucional que, ao limitar o Poder Moderador, garantia os espaços de atuação de liberais e conservadores.

Questão 77: (UERJ) OBSERVE A IMAGEM ABAIXO:

(TÁVORA, Araken. D. Pedro II e o seu mundo. Rio de Janeiro: Documentário, 1976.). A charge acima retrata uma prática política vigente durante o Segundo Reinado, que permite caracterizar a monarquia nesse período como:
A - unitária e conservadora, em que "o Imperador reina, mas não governa";
B - federativa e multipartidária, em que o Imperador tinha a função de mediar e moderar;
C - centralizada e "parlamentarista", em que o Imperador era o árbitro entre os "partidos políticos";
D - constitucional e unicameral, em que o Poder Moderador era a chave da administração política.

Questão 78: (UFF/RJ) A primeira geração de proletários brasileiros convivera, nas fábricas e nas cidades, com trabalhadores escravos durante várias décadas. Este fato caracteriza toda a fase inicial do processo de formação do proletariado como classe no Brasil.
(FOOT, F.; LEONARDI, V. História da indústria e do trabalho no Brasil. São Paulo: Global, 1982, p. 111.)
Assinale a opção que se refere incorretamente à questão focalizada pelo texto na segunda metade do século XIX:
A - Os trabalhadores nacionais, tidos como preguiçosos, deviam ser controlados pelo aparato policial e judicial.
B - O regime escravista propiciava a formação de ideologias que valorizavam o trabalho manual, considerado honroso para o homem e fonte da riqueza nacional.
C - A política de repressão à vadiagem era direcionada, principalmente, ao liberto, a ser reeducado numa nova ética do trabalho.
D - A imagem ideal do trabalhador era representada pelo estrangeiro, portador em potencial da civilização e da modernização do país.
E - Entre as primeiras categorias de proletários brasileiros, formados no século XIX, encontravam-se os ferroviários, estivadores, portuários e têxteis.

Questão 79: (PUC-RIO) Sobre a religiosidade e a Igreja Católica no século XIX, no Brasil, é correto afirmar:
A - Segundo as leis do Império, ao Imperador cabia o direito do padroado, nomeando bispos e outros titulares de cargos eclesiásticos no Brasil e, desta forma, subordinando a hierarquia da Igreja ao poder imperial.
B - A Constituição de 1824 estabelecia a "Religião Católica Apostólica Romana" como "Religião do Império", e, assim, proibia, terminantemente, o culto de todas as outras religiões.
C - A quase totalidade da população brasileira era católica e utilizava o espaço das igrejas para praticar a religião. O episódio de Canudos, ao final do século, representando um desvio nos cânones da Igreja pelos seguidores de Conselheiro, configurou uma exceção.
D - A união entre Igreja e Estado nem sempre se realizou de forma harmônica. A "Questão religiosa", em fins do Império, expressou a insatisfação de alguns bispos perante a proibição do Imperador ao livre funcionamento das lojas maçônicas.
E - Enquanto algumas ordens religiosas, como a dos beneditinos e a dos carmelitas, estabeleceram-se livremente, no Brasil, outras, como a dos jesuítas e a dos franciscanos foram proibidas de construir igrejas e mosteiros.

Questão 80: (CESGRANRIO/RJ) O conceito de crise utilizado para definir as duas últimas décadas da história do Império está associado a uma multiplicidade de processos, entre os quais se destaca a:
A - insatisfação do Partido Conservador com as medidas liberalizantes da monarquia sintetizadas nas leis abolicionistas;
B - retração geral da economia do país provocada pela crise da escravidão;
C - organização dos partidos e grupos republicanos representativos de setores sociais insatisfeitos com a monarquia;
D - crescente militarização do regime graças ao fortalecimento do exército após a Guerra do Paraguai;
E - grande incidência de movimentos sociais, incluindo desde a rebelião de escravos a greves de operários, todos adeptos da República.
Questão 81: (FGV/RJ) José Thomaz Nabuco de Araújo afirmou em famoso discurso na Câmara dos Deputados, em 6 de julho de 1853: "Senhores, a missão do governo, e principalmente do governo que representa o princípio conservador, não é guerrear e exterminar famílias, antipatizar com nomes, destruir influências que se fundam na grande propriedade, na riqueza, nas importâncias sociais; a missão de um governo conservador deve ser aproveitar essas influências no interesse público, identificá-las com a monarquia e com as instituições, dando-lhes prova de confiança para que possa dominá-las, dirigi-las e neutralizar as suas exagerações. Se representais o princípio conservador, como quereis destruir a influência que se funda na grande propriedade?"
(Joaquim Nabuco. Um estadista do Império. Rio de Janeiro, Topbooks, 1997.) A partir da leitura do texto acima, considere as afirmativas:
I. a monarquia representava a integridade do país e a estabilidade política, graças a um complexo jogo de acomodações, no seio do Conselho de Estado, dos conflitos entre as elites e as classes populares;
II. a diversidade econômica decorrente da expansão cafeeira e do crescimento urbano acabou por provocar o fortalecimento do papel de árbitro encarnado pelo monarca;
III. a maioria dos políticos pertencia à "boa sociedade", unidos muitas vezes por laços familiares e compartilhando uma mesma visão de mundo, baseada defesa da grande propriedade e do trabalho escravo;
IV. os conservadores contestavam o sistema eleitoral vigente e reivindicavam eleições diretas e não-censitárias.
Assinale:
A - se somente a afirmativa III estiver correta;
B - se somente as afirmativas I e II estiverem corretas;
C - se somente as afirmativas II e IV estiverem corretas;
D - se somente as afirmativas I, III e IV estiverem corretas;
E - se todas as afirmativas estiverem corretas.

Questão 82: (UESC/BA) A Guerra do Paraguai contribuiu para revelar o processo de enfraquecimento da monarquia brasileira, porque:
A - constituiu um obstáculo à permanência do capital inglês na economia do Império.
B - provocou a crise entre católicos e protestantes no Império, conhecida como Questão Religiosa.
C - focalizou o descontentamento dos militares do Exército, levando à eclosão da Questão Militar.
D - contribuiu para ampliar o contingente da população escrava negro-africana, alimentada pelo tráfico negreiro.
E - permitiu o fortalecimento do comércio entre paraguaios e argentinos, prejudicando interesses econômicos brasileiros naquela área.

Questão 83: (UFES) A Guerra do Paraguai, considerada o maior conflito armado da história da América do Sul, além de provocar a morte de inúmeros paraguaios, brasileiros, argentinos e uruguaios, foi a causa do desequilíbrio econômico e do aumento substancial das dívidas externas dos países envolvidos no conflito. Apesar disso, a guerra foi um "bom negócio" para:
A - os paraguaios, que conquistaram territórios estratégicos para seu desenvolvimento na Bacia do Prata;
B - os argentinos, que conquistaram vastas porções do território paraguaio e anexaram áreas do Rio Grande do Sul;
C - os norte-americanos, que aumentaram a sua exportação de açúcar e trigo para o Uruguai e para o Brasil;
D - os brasileiros, que não tiveram grandes prejuízos com a guerra e conquistaram parte do território argentino e paraguaio;
E - os ingleses, que emprestaram milhões de libras para os países da Tríplice Aliança, com juros altos, através de seus bancos.

Questão 84: (UEL/PR) Considere os seguintes itens:
I. decadência da aristocracia tradicional;
II. aspirações das diferentes camadas sociais que exigiam mudanças significativas;
III. instituição do padroado e do beneplácito, que agradou aos diversos setores do clero;
IV. falta de consciência política do Exército, que se transformou em aliado do Imperador;
V. aparecimento de uma aristocracia cafeeira mais dinâmica, moderna, rica e poderosa.
A crise do Império se deve a uma série de fatores que, interagindo, levaram a mudanças do regime.
Assinale a alternativa que reúne corretamente esses fatores:
A - I, II e V.
B - I, III e IV.
C - I, III e V.
D - II, III e IV.
E - II, IV e V.

Questão 85: (UFPE) Durante o século XIX, a economia brasileira continuou essencialmente agroexportadora. O surgimento de uma nova cultura deslocou o centro econômico do país de uma região para outra, porque:
A - a expansão do mercado internacional do algodão deslocou para o Maranhão os capitais aplicados no tráfico negreiro, tornando essa região um grande centro econômico;
B - o Nordeste perdia para a Região Norte grandes contingentes populacionais, tendo em vista a importância da borracha para o comércio de exportação;
C - o café, ao se tornar o produto de exportação mais rentável, transformou a Região Sudeste no centro econômico mais importante do país, desequilibrando a relação de poder no Império;
D - a cultura do cacau associada à da cana-de-açúcar no Recôncavo Baiano deslocou para a Região Nordeste capitais empregados na exploração das minas;
E - o crescimento das exportações de açúcar tornaram a Região Nordeste o centro econômico mais produtivo durante todo esse período.

Questão 86: (MACKENZIE/SP) Na Questão Religiosa:
A - D. Pedro apoiou os bispos contra as irmandades interditadas, ordenando a prisão de seus presidentes;
B - dois bispos propugnaram pela inteira separação da Igreja em relação ao Estado;
C - D. Pedro II apoiou os bispos maçons contra as irmandades, mandando interditá-las;
D - D. Pedro II apoiou as irmandades interditadas, ordenando a prisão dos bispos interditores;
E - padres maçons pretendiam constituir uma Igreja Nacional Brasileira.

Questão 87: (PUC-SP) O recrudescimento das idéias republicanas após 1870, no Brasil, está relacionado:
A - à pressão inglesa contra o regime monárquico, devido às tarifas protecionistas, que dificultam a penetração dos produtos britânicos no Brasil;
B - ao gabinete do Visconde de Ouro Preto que, apesar de ser pessoalmente monarquista, tinha entre os integrantes do gabinete pessoas que tomaram medidas a favor do fortalecimento do Partido Republicano;
C - aos militares e aos republicanos históricos, que se uniram contra a oligarquia agrário-exportadora de São Paulo e Minas Gerais, responsável pelas diretrizes político-econômicas do Império;
D - aos militares imbuídos de idéias positivas, de “salvação nacional”, e aos fazendeiros de café, que almejavam o federalismo, a fim de obterem maior autonomia estadual;
E - à penetração francesa que visava destruir D. Pedro II, a fim de colocar no poder o conde d’Eu, unindo assim o Brasil à França.

Questão 88: (UPF/RS) A crise do governo Zacarias, em 1868, marcou o início do processo de decadência do regime imperial brasileiro, que findou, em 1889, com a Proclamação da República. Considere as seguintes afirmativas sobre esse processo:
I. A fundação do Partido Republicano, em 1870, teve origem na dissidência do Partido Liberal de 1868.
II. Os “barões do café”, setor oligárquico vinculado ao Império, mantiveram a sua situação econômica e política inalterada durante o processo.
III. A expansão da economia cafeeira, no oeste paulista, a partir da segunda metade do século XIX, gerou um novo setor da classe dominante: a burguesia cafeeira paulista.
IV. A extinção oficial do tráfico negreiro, em 1850, acelerou o processo de diversificação econômica, principalmente o da industrialização.
Escolha a alternativa que contém apenas os números de todas as afirmações corretas:
A - I, II
B - I, III
C - I, II, III
D - I, IV
E - I, III, IV

Questão 89: (UERJ) Ou o campo ou as cidades; ou a escravidão ou a civilização
(J. Nabuco. O Terreno da Luta, in Jornal do Comércio, 19/10/ 1884)
Escravidão e laissez-faire conviveram por muito tempo.
Duas estruturas da economia brasileira que se constituíram como obstáculos à consecução plena do projeto liberal que norteou os moderados do Brasil independente foram:
A - desenvolvimento urbano e mercado interno;
B - mão-de-obra imigrante e pequena propriedade;
C - trabalho assalariado e desenvolvimento industrial;
D - mão-de-obra escrava e manutenção da grande propriedade;
E - trabalho assalariado e pequena propriedade.

Questão 90: (MACKENZIE/SP) Sobre a Questão Militar podemos dizer que:
A - o Exército era mantido numa posição de segundo plano na vida política brasileira;
B - a Guerra do Paraguai exigiu uma força militar profissionalizante que, em parte, contrastava com a formação bacharelesca dos políticos;
C - existiam no Exército um “espírito de corporação” e a influência positiva;
D - alguns oficiais envolviam-se na política, o que desgastava o espírito hierárquico;
E - estão certas todas as anteriores.

Questão 91: Sobre a expansão cafeeira no século XIX, é CORRETO afirmar que:
A - o crescimento da demanda internacional por café, a partir de meados do século, relacionou-se diretamente à crise na produção de chá das colônias no Oriente e à intensa propaganda patrocinada pelo governo imperial;
B - o café era, já em meados do século, o principal produto da pauta de exportações; sua expansão contribuiu decisivamente para a reversão do quadro de crise que caracterizava a economia brasileira no final do século XVIII e primeiras décadas do século seguinte;
C - a expansão da lavoura cafeeira pelo Vale do Paraíba fluminense levou à ocupação de terras anteriormente empregadas no cultivo da cana-de-açúcar, o que explica o rápido desgaste do solo e a qualidade inferior do café aí produzido;
D - a adoção de uma política de subvenção oficial à imigração pelo governo imperial, a partir de 1850, garantiu às lavouras do Oeste Velho paulista a mão-de-obra necessária à sua expansão e deteve a crise na produção do Vale do Paraíba fluminense;
E - a queda nos preços internacionais do café, decorrente da superprodução, levou os presidentes de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais a contraírem, a partir da década de 1870, empréstimos estrangeiros, sem licença do governo imperial, a fim de poderem comprar os excedentes de produção.

Questão 92: (UFPR) A economia cafeeira foi o principal meio de acumulação de capital no Brasil, durante o século XIX.
“É na região do café que o desenvolvimento das relações capitalistas é mais acelerado e é aí que se encontra a maior parte da indústria nascente brasileira.”
(Silva, Sérgio. expansão cafeeira e origens da indústria no Brasil. São Paulo, Alfa-Ômega, 1976)
A respeito dessas questões, é correto afirmar que:
1 - o incremento de consumo do café na Europa e nos Estados Unidos foi um dos fatores determinantes para a expansão da lavoura cafeeira no Brasil;
2 - a lavoura cafeeira transformou a Região Sudeste na mais importante, economicamente, do país;
4 - ao se examinar o processo histórico brasileiro, nota-se que há ligação entre expansão cafeeira, imigração, urbanização e industrialização;
8 - a burguesia agroexportadora foi responsável pela industrialização maciça que antecedeu o grande impulso da economia cafeeira;
16 - apesar da dependência do mercado externo, a economia cafeeira acabou favorecendo, mesmo que indiretamente, o crescimento industrial do Brasil.
SOMATÓRIA (_____)

Questão 93: (UNESP/SP) O transporte ferroviário no Brasil, da segunda metade do século XIX ao início deste, mereceu prioritariamente o interesse estatal e particular.
As condições históricas relacionadas com a ampliação da rede em ritmo crescente foram:
A - a expansão da cafeicultura, principalmente em São Paulo, e o escoamento da produção para o exterior;
B - reservas de minérios de ferro, do quadrilátero ferrífero, pouco acessíveis e muito distantes dos centros urbanos mais expressivos;
C - políticas de industrialização e de reflorestamento;
D - capitais externos em busca de lucros para a indústria automotiva e para as empresas distribuidoras de petróleo;
E - devastações de pinhais para a extração de madeira e para a produção de papel.

Questão 94: (PUC-PR) Considerando o período que vai da Monarquia Joanina até o Segundo Império, a economia brasileira teve por características marcantes:
I. a substituição da preponderância portuguesa no Brasil pela da Inglaterra, clara com a assinatura do Tratado de Comércio e Navegação (1810), quando aquela potência foi beneficiada com tarifas alfandegárias de apenas 15%;
II. reação protecionista alfandegária do ministro Alves Branco em 1844, provocando as represálias britânicas determinadas pelo “Bill Aberdeen”, com perseguição e captura de navios negreiros até em águas brasileiras;
III. a substituição do café pelo açúcar como principal produto de exportação na década de 1830 – 1840 até a queda do Império;
IV. a rápida troca de mão-de-obra dos escravos negros pelos colonos italianos nos cafezais do Rio de Janeiro, iniciativa dos “Barões do Café”, impediu-os de ter prejuízos em 1888, quando ocorreu a libertação total dos escravos.
A - Estão corretas somente as opções I e III.
B - Estão corretas somente as opções II, III e IV.
C - Estão corretas somente as opções I e II.
D - Estão corretas somente as opções I, II e IV.
E - Está correta somente a opção IV.

Questão 95: (UEPG/PR) Com referência à economia brasileira no século XIX, é incorreto afirmar que:
A - a abolição do tráfico de escravos em 1850 liberou capitais, os quais passaram a ser investidos na agricultura e na nascente indústria nacional;
B - grande parte dos capitais investidos nos serviços básicos de infra-estrutura, notadamente transportes e comunicações, foram de origem inglesa;
C - as atividades agroexportadoras concentraram-se na Região Centro-Sul, o que contribuiu para acentuar o desequilíbrio geo-econômico do país;
D - o desenvolvimento da cafeicultura e a abolição do tráfico de escravos foram determinantes para a implantação de uma política imigracionista no Brasil;
E - a política econômica do governo imperial foi francamente favorável à implantação de indústrias de bens de capital.

Questão 96: (CESGRANRIO/RJ) As relações do Brasil com a Inglaterra constituíram-se num dos principais problemas da política do Império, como se observa no (a):
A - apoio da Inglaterra a Portugal, seu tradicional aliado, nas Guerras de Independência;
B - conflito decorrente das restrições alfandegárias impostas por D. Pedro I aos ingleses;
C - participação dominante de capitais ingleses no financiamento da expansão cafeeira;
D - concordância inglesa em relação ao expansionismo imperial na Cisplatina;
E - oposição da Inglaterra, país pioneiro no desenvolvimento industrial, ao tráfico negreiro.

Questão 97: (UNICENP/PR) O futuro, no Brasil, era ele. Quase todos os empreendimentos no país que não fossem fazenda com escravos – um negócio pelo qual [ele] definitivamente não se interessa – acabavam passando por suas mãos . (...) Controlava oito de dez das maiores empresas brasileiras. As outras duas freqüentadoras desse restrito universo – o Banco do Brasil e a Estrada de Ferro D. Pedro II – eram estatais e mesmo assim deviam muito a seu trabalho. (Jorge Caldeira, Cia das Letras, p. 30) O texto acima refere-se a um importante personagem da economia brasileira da segunda metade do Segundo Reinado, responsável por boa parte do surto industrial vivido pelo país naquele período. Trata-se de:
A - Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias;
B - Irineu Evangelista de Sousa, o Barão de Mauá;
C - Afonso Celso de Assis Figueiredo, o Visconde de Ouro Preto;
D - José da Silva Lisboa, o Visconde de Cairu;
E - Luís Pedreira do Couto Ferraz, Visconde de Bom Retiro.

Questão 98: (FGV/RJ) A Questão Christie teve como efeito:
A - o exercício de represálias navais inglesas contra o Brasil;
B - o rompimento de relações diplomáticas entre o Brasil e a Inglaterra;
C - a vitória brasileira no arbitramento do rei dos belgas, Leopoldo I;
D - o reatamento das relações entre os dois países em 1865;
E - todas as respostas combinadas.

Questão 99: (UEL/PR) No Brasil, a transição para o trabalho livre e a conseqüente modernização do capitalismo ganha impulso a partir da:
A - primeira década do século XVIII;
B - última década do século XVIII;
C - primeira metade do século XIX;
D - segunda metade do século XIX;
E - segunda metade do século XX.

Questão 100: (UFLA/MG) As primeiras e decisivas mudanças na economia brasileira ocorreram no Oeste Paulista, onde se introduziam a mão-de-obra livre, a mecanização no beneficiamento e a divisão do trabalho em diferentes graus de especialização. Essas transformações ocorreram em conseqüência da:
A - mineração do ouro e diamantes;
B - monocultura do algodão;
C - expansão da lavoura canavieira;
D - industrialização urbana;
E - expansão da cafeicultura.

Questão 101: (FEI/SP) Irineu Evangelista de Sousa, Barão e Visconde de Mauá, foi um empreendedor que investiu em vários campos: Companhia de Navegação a Vapor no Amazonas e Rio Grande do Sul, Companhia de Iluminação a gás no Rio de Janeiro, companhias de bonde e estradas de ferro e outros.
Em qual período da história do Brasil Mauá se destacou?
A - República Velha.
B - Período Colonial.
C - Segundo Reinado.
D - Era Vargas.
E - Independência.

Questão 102: (UCPEL/RS) A política externa do Segundo Reinado, em relação à República do Paraguai, tinha por objetivo:
A - retomar a posse da ex-província Cisplatina;
B - assegurar a livre navegação na Bacia Platina;
C - restaurar o vice-reinado do Prata;
D - defender o sistema monárquico;
E - criar um órgão de defesa interamericano.

Questão 103: O Vale do Paraíba, no século XIX, passou a ter importância decisiva no Brasil, porque:
A - a pecuária se desenvolveu ao longo do seu curso, penetrando no norte de São Paulo;
B - as cidades da região de Valença, Vassouras, entre outras, iniciaram a revolução industrial no Brasil;
C - o escoamento das riquezas do Centro-Oeste brasileiro se fez através de seus portos, como Parati, Ubatuba e São Sebastião;
D - o cultivo do café se tornou o estabilizador da economia do Império;
E - o sistema de dominação dos senhores rurais foi anulado graças ao trabalho pioneiro de introdução de imigrantes europeus na região.

GABARITO: questão 1: B - questão 2: E - questão 3: C - questão 4: D - questão 5: B - questão 6: E - questão 7: A - questão 8: E - questão 9: B - questão 10: E - questão 11: D - questão 12: D - questão 13: E - questão 14: D - questão 15: C - questão 16: B - questão 17: C - questão 18: D - questão 19: B, C, D - questão 20: B - questão 21: 2 - questão 22: D - questão 23: A - questão 24: A, C - questão 25: A - questão 26: A, B, D - questão 27: C - questão 28: A - questão 29: D - questão 30: D - questão 31: C - questão 32: A - questão 33: B - questão 34: D - questão 35: B - questão 36: A - questão 37: D - questão 38: D - questão 39: C - questão 40: 11 - questão 41: A - questão 42: C - questão 43: 5 - questão 44: E - questão 45: E - questão 46: E - questão 47: B, C - questão 48: A - questão 49: E - questão 50: B - questão 51: A - questão 52: B - questão 53: D - questão 54: C - questão 55: C - questão 56: A - questão 57: A - questão 58: D - questão 59: D - questão 60: B - questão 61: D - questão 62: C - questão 63: A - questão 64: B - questão 65: A - questão 66: B - questão 67: E - questão 68: C - questão 69: D - questão 70: A - questão 71: B - questão 72: C - questão 73: C - questão 74: D - questão 75: E - questão 76: C - questão 77: C - questão 78: B - questão 79: A - questão 80: C - questão 81: A - questão 82: C - questão 83: E - questão 84: A - questão 85: C - questão 86: D - questão 87: D - questão 88: E - questão 89: D - questão 90: E - questão 91: B - questão 92: 23 - questão 93: A - questão 94: C - questão 95: E - questão 96: E - questão 97: B - questão 98: E - questão 99: D - questão 100: E - questão 101: C - questão 102: B - questão 103: D

Nenhum comentário:

Postar um comentário